Entrevista Exclusiva Com Phil Galfond

Por: 08/10/2013

Phil Galfond é certamente um dos jogadores de poker mais conhecidos e respeitados do mundo.

Figura frequente nos jogos mais caros da internet com os nicknames “OMGClayAiken” no Full Tilt e “MrSweets28” no PokerStars, é o terceiro jogador mais lucrativo do online segundo o site HighstakesDB, já tendo ultrapassado a marca de US$10 milhões de ganhos em toda a sua carreira.

Ele também é bem-sucedido nos torneios ao vivo, com duas mesas finais do WSOP – incluindo uma vitória, somando US$1.8 milhões de ganhos no circuito de torneios.

E além de jogador, Phil Galfond também é coach e empresário, sendo um dos sócios e instrutores do site de treinamento Run It Once.

Sabendo disso tudo, nós entramos em contato com Phil Galfond, que aceitou responder nossas perguntas por email. Assim, decidimos pedir aos usuários do Fórum MaisEV que pensassem em algumas perguntas. Vejam abaixo o resultado.

 

O que é o poker para você? Qual é a habilidade mais importante para ser um jogador top?

A habilidade no poker é uma combinação de várias competências. É muito difícil definir, mas as maiores áreas parecem ser autoconhecimento, auto controle e inteligência nas áreas de lógica, psicologia e matemática básica.

Se você tivesse um filho adolescente, você permitiria que ele desistisse de uma educação formal na faculdade para jogar poker?

Eu o incentivaria a não fazer isso, mas não tentaria impedir se fosse realmente isso que ele quer. Se ele estivesse interessado em conduzir um negócio ao invés de ir para a faculdade, e eu sentisse que ele estivesse fazendo o trabalho necessário, ficaria até mais orgulhoso.

Qual é seu pior defeito mental?

Acho que duvidar de mim mesmo é uma das minhas melhores e piores qualidades como um jogador de poker. Eu nunca estou confiante o suficiente nas minhas habilidades, mas isso me impede de ficar preguiçoso e complacente.

Quem você diria que são os jogadores mais subestimados de Pot-Limit Omaha?

Acho que a maioria dos bons jogadores estão recebendo agora o reconhecimento que merecem da comunidade online. Mas o público em geral que assiste poker pela TV não ouviu falar dos melhores jogadores de PLO do mundo.

Phil Galfond

Falando sobre PLO, qual sua opinião sobre o rake nessa modalidade?

Não vou fingir que conheço o suficiente desse assunto para ter uma opinião forte. Li alguns tópicos sobre isso que discutem como o rake é muito maior comparado aos mesmos stakes em No-Limit Hold’em, e acho que isso é triste.

PLO é um ótimo jogo de ação, e que pode superar o NLHE em termos de jogo que continuam a acontecer online (a ação em NL secou bastante). Entretanto, se o rake está levando uma boa parcela dos jogadores a perderem, então os benefícios de um jogo de alta variância não existem mais (porque muitos jogadores que de outra forma conduziriam os jogos perdem dinheiro muito mais rápido).

Viktor “Isildur1” Blom uma vez disse que você é o jogador mais difícil de se jogar que ele conhece, e o melhor jogador do mundo. Você, em contrapartida, já se declarou um fã de Isildur1, mas ele foi o jogador que mais te deu dor de cabeça nas mesas?

Eu diria que [Phil] Ivey foi quem me deu mais dores de cabeça em toda a minha carreira, embora eu não jogue mais contra ele o tanto que costumava jogar. Viktor definitivamente seria o número 2. Eu sei que nunca posso jogar contra ele no piloto automático, ou ele vai me engolir vivo. Tenho que usar todo o meu foco quando jogo contra ele.

Inspirado no filme Clube da Luta, se pudesse escolher qualquer pessoa na história do poker, contra quem você lutaria e por quê?

É difícil dizer, mas pelo que ouvi falar, adoraria jogar NLHE contra Stu Ungar. Todos que jogaram com ele dizem que era uma lenda absoluta.

Você acha que há jogadores regulares de $5/$10 e $10/$20 que são melhores que os de $25/$50, mas não puderem fazer o move up por causa da variância?

Acho que para alguns sim, mas não acredito que sejam tantos quanto as pessoas acreditam. A maioria dos regs que jogam já há algum tempo se acomodaram em algum nível próximo do que sua habilidade permite.

Definitivamente existem aqueles que runnam muito bem e outros que runnam muito mal, e isso significa sim que alguns regs de $5/$10 são melhores que alguns de $25/$50, mas a quantidade é superestimada pela comunidade.

Você tem jogado outras modalidades como 7-2 Triple Draw. Acredita que há um bom dinheiro a ser feito fora de NLHE/PLO nos nosebleeds, ou joga outras modalidades para se tornar melhor como um jogador no geral?

Bem, se há dinheiro para ganhar eu não estou 100% certo. Ou melhor, tem dinheiro para ganhar, mas ainda não estou certo de que estou pronto para ser aquele que vai lucrar nos jogos Limit.

A triste verdade é que, PLO nosebleeds não rola tanto fora das mesas CAP, que é uma forma de PLO que eu realmente não gosto. Então eu não tenho muita escolha se quiser competir nos limites altos a não ser testar minha habilidade em outras modalidades.

Qual foi o momento mais difícil da sua carreira?

Teve uma noite em que perdi mais da metade do meu bankroll (US$500 mil de um BR de US$800 mil) em $300/$600 contra alguém que eu achei que era um fish, mas na verdade era um profissional.

Fiquei decepcionado comigo mesmo por ter arriscado a maior parte do meu bankroll, mas foi uma boa experiência de aprendizado, então eu me recompus e comecei a reconstruir meu bank.

Como foi a Black Friday para você? Quão difícil foi mudar para outro país e como isso afetou sua vida como um todo?

A Black Friday teve um impacto gigantesco na minha vida. Tive que deixar Nova York, vender minha casa que eu tinha há apenas poucos anos (e tinha passado todo o primeiro ano reformando), e não posso mais ver meus melhores amigos, a não ser umas duas vezes por ano no máximo.

Foi difícil me ajustar, mas eu gosto da vida em Vancouver (Canadá). A única parte realmente difícil é não ter meus amigos.

Phil GalfondComo você lida com grandes swings todos os dias?

Você apenas lida com elas.

Acho que algo que ou você está preparado, ou não está. Não vou fingir que isso não me afeta, porque afeta sim, mas sempre consigo colocar uma grande perda em perspectiva e focar na próxima sessão.

Lidar com a variância é uma das partes mais difíceis desse trabalho, e é uma habilidade necessária se você quiser ser um jogador de sucesso. Ninguém no mundo pode evitar uma downswing.

Você acha que o poker seria mais lucrativo se não envolvesse o ego?

Acho que o ego e o impulso competitivo (que não são a mesma coisa) são muito importantes para o jogo de poker. Quando se torna simplesmente sobre o dinheiro, a ação seca e os jogadores não melhoram como poderiam se estivessem competindo por paixão. Eu amo competir e é uma das principais razões para eu amar o poker. Mais importante, é um dos motivos principais de eu ser bem-sucedido por todos esses anos.

Com que frequência aparecem novos fishes para jogar nos nosebleeds? Eles são essenciais para a dinâmica dos jogos mais caros ou os melhores jogadores ganham a vida jogando contra eles mesmos?

Novos jogadores surgem de vez em quando, mas na maioria das vezes são só os profissionais se enfrentando.

Os jogos mudam muito a cada vez, e a cada ano. Ser capaz de jogar várias modalidades é muito benéfico já que a ação frequentemente varia entre os jogos.

No Brasil há um grande movimento para que o poker seja visto como esporte pela sociedade. Na sua opinião o poker é realmente um esporte?

Acho que o poker pode e deve ser reconhecido da mesma maneira que o xadrez. Se o xadrez é considerado um esporte, eu não sei, realmente não sei. Mas eu considero o xadrez um jogo complexo, profundo e intelectual, e é um jogo que o mundo respeita.

O poker é mais complexo que o xadrez na minha opinião (e na opinião de muitos) mas não é reconhecido porque é um jogo que qualquer um pode jogar sem ter habilidade e não perceber isso, e no xadrez os iniciantes vão perceber o quão ruins são.

Há muitas coisas negativas relacionadas ao poker, e isso é justo, como vício em apostas, trapaças, roubos e etc. Tudo isso são coisas que podem acontecer em um jogo onde há muito dinheiro envolvido. Ainda assim, em sua forma mais pura, poker é um dos jogos mais intelectuais e de maior nível no mundo, e deve ser reconhecido como tal.

O movimento no Brasil que reconhece o poker como esporte é ótimo. Eu adoraria ver o poker receber o reconhecimento que merece.

Já que seus buy-ins e blinds são contados em milhares de dólares, você acha que o dinheiro perdeu um pouco do valor para você?

Acho que é impossível não perder um pouco do valor do dinheiro. Se você ficar preocupado em perder o aluguel do mês em uma mão, não conseguirá fazer a melhor decisão possível. Tendo dito isso, o poker permite ver o dinheiro mais claramente em algumas maneiras, em termos de resultados versus expectativa, em termos de avaliar investimentos e em termos de tempo como um bem.

No geral, acho que o poker te ensina muito mais coisas importantes sobre o dinheiro do que ele te “tira”.

Ainda falando sobre dinheiro, o escorregador que você colocou no apartamento em Nova York foi a coisa mais louca que já fez com seu dinheiro?

Acho que sim. No fim não custou mais do que uma escada custaria, então não foi um custo muito alto.

E de onde veio essa ideia?

A ideia veio logo de cara quando eu comecei a considerar comprar dois apartamentos e juntar num só. Não sei o que me inspirou, mas pensei que era a coisa certa assim que vi.

Qual é sua opinião sobre sobres como Holdem Manager e Poker Tracker? Acha que eles estão mecanizando o poker?

Essa é uma pergunta complicada, vou expandir um pouco.

Acho que o poker sem qualquer software e um jogo muito interessante, e um jogo que cria uma boa economia para preservar a ação. Assusta menos os jogadores recreativos que são intimidados pela ideia de que seus oponentes estão usando softwares contra eles.

Agora, não creio que seja injusto usar bancos de dados de poker. NÃO permiti-los mas não ser capaz de banir seria muito pior, já que o antiético poderia ganhar uma grande vantagem sobre o ético.

Além do mais, acho que o poker COM HUD é um jogo extremamente interessante. Você pode mergulhar mais fundo nas estratégias dos seus oponentes e construir contra estratégias em uma escala muito mais ampla. Aí eles podem ver você se ajustando (e você sabe que eles conseguem) e jogo de ataque e contra-ataque continua indefinidamente.

Eu acho que se fosse possível, a melhor opção seria ter jogos específicos (ou sites específicos) que não permitissem softwares de rastreamento ou jogar muitas mesas (e que fossem capaz de garantir isso), e também ter jogos que permitissem isso. Dessa maneira você teria o melhor dos dois mundos, e mais importante, poderia ver onde e como os jogos prosperam.

E sobre sites que registram seus ganhos e perdas diárias, isso te incomoda?

Pessoalmente não, mas sei que incomoda muitas pessoas.

Acho que registrar as maiores perdas não beneficia ninguém e é provável que tenha levado algumas pessoas a parar de jogar (ou parar de jogar tão alto), e dessa foram ter causado uma queda nos jogos.

Mas por outro lado, registrar os vencedores é ótimo na minha opinião. Se quisermos que o poker seja um esporte, queremos que os melhores sejam seguidos, celebrados e tomados como exemplo. Registrar esses resultados é crucial para criar um ambiente em que isso aconteça.

Na verdade, eu acho que torneios de poker ao vivo precisam fazer um trabalho melhor se quiserem continuar a atrair o público em geral.

Qual é sua opinião sobre o futuro do poker online? Agora que alguns estados americanos já regulamentando o jogo online, você pensa em voltar para os EUA?

Depende de muitas coisas. Eu realmente não sei dizer, não tenho nenhuma informação privilegiada sobre o que acontece com o poker nos EUA. Gostaria de ter!

O que você conhece sobre o Brasil? Já pensou em visitar o país?

Eu não viajei para muitos torneios fora de Vegas, mas gostaria de começar nos próximos anos. Nunca fui ao Brasil, mas eu gostaria de ir um dia.

E jogadores brasileiros, conhece ou já teve experiências com algum?

O brasileiro que mais joguei foi o “verve.oasis” (Gabriel Goffi) no PokerStars. Ele é um jogador realmente duro e agressivo de PLO e respeito muito o jogo dele.

Eu posso estar esquecendo de outros, mas não vejo e memorizo muito a nacionalidade dos jogadores que enfrento. Só foco nas minhas leituras.

 Phil GalfondHá alguns anos você fez um “coaching mental” com Tommy Angelo. Como isso mudou a maneira com que você pensa e joga?

Para resumir, Tommy me ajudou a entender como ser um jogador profissional de poker. Como viver a vida e continuar são e feliz. Eu tive muita sorte de aprender isso no começo da minha carreira por alguém que viveu como jogador profissional por tantos anos.

É difícil resumir o que ele me ensinou, mas recomendo  que qualquer um que esteja curioso sobre isso que leia o livro que ele escreveu, Elementos do Poker. É provavelmente o livro de poker mais fácil que já encontrei. Na verdade, você pode ter me inspirado a ler mais uma vez. Obrigado!

Se você perdesse todo seu bankroll, o que faria para recomeçar? Jogaria a partir dos micros, ou escolheria outra profissão?

Não acho que eu me permitiria quebrar um dia. Mas quem sabe… já aconteceu com tantas pessoas com quem eu não imaginava que aconteceria.

Para falar a verdade, eu poderia conseguir um stake se quisesse. Não consigo pensar em alguém mais qualificado para isso do que eu.

Mas eu não sei o que faria. Depende de como eu me sentiria sobre o poker, a situação dos jogos, outras oportunidades e minha vida pessoa. Vamos torcer para que eu nunca precise descobrir!

 

 

O livro The Royal Book: Os segredos dos High Stakes, de Ivan RoyalSalute Santana, está disponível na Loja MaisEV  e lhe ensina como jogar high stakes em alto nível. 

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker