DE NOVO? partypoker pode deixar o Brasil nos próximos três anos, entenda o caso

Por: 02/12/2020

Empresa proprietária do partypoker decidiu sair de todos os mercados não regulados, mas optou por permanecer temporariamente no Brasil

partypokerA gigante das apostas GVC Holding, proprietária do partypoker, está dando uma nova direção aos seus negócios e decidiu interromper suas atividades em países sem uma regulação específica para o jogo online.

A notícia vem após um comunicado anterior da GVC que dizia que a empresa estava se preparando para se retirar de todos os mercados considerados “cinza” ou não regulados, e que 99% de suas operações seriam em países completamente legalizados até o fim de 2020.

Isso pode fazer com que a sala deixe o Brasil pela segunda vez, mas por enquanto, os jogadores brasileiros podem ficar despreocupados, pois nos 1% de países restantes (como o Brasil), a empresa esperará por um prazo de três anos, e pode se retirar caso uma regulamentação não seja aprovada até lá.

No servidor de Discord da sala, a gerente de comunidades Colette Stewart falou sobre o assunto:

“Dando prosseguimento à vontade da GVC, nossa marca proprietária, de operar apenas em mercados completamente regulados, a partir do meio de dezembro não ofereceremos mais nossos serviços em mercados de poker não regulados, seguindo uma decisão da gerência de negócios.”

Jogadores de países como Polônia, Noruega e Montenegro receberam emails do partypoker informando que desde o dia 1º de dezembro não poderiam mais realizar depósitos na sala e que só poderão jogar até o dia 17 deste mês. Após isso, só será possível entrar na sala para requisitar saques. Os cashbacks também serão pagos até o dia 23 de dezembro.

Apesar disso, não há indícios de que a sala vai se retirar do mercado russo, que também não é regulamentado. Pelo contrário, acabou de lançar um cliente dedicado para o país chamado de partypoker Sochi.

Esta não seria a primeira vez que o partypoker deixa o mercado brasileiro. Em 2015, a sala teve atitude similar e focou apenas nos países com legislação própria para o jogo online, mas retornou no ano seguinte, justamente após ser adquirida pela GVC Holdings.

O que o partypoker diz sobre o Brasil?

O Brasil não rem uma legislação específica para o poker online e portanto estaria dentro da mudança proposta pela GVC. Entretanto, a empresa informou em uma reunião de diretoria que continuará atuando em mercados que estão em processo de regulamentação e citou Canadá, México e Brasil, o qual disse que “continua crescendo extremamente bem.”

Ainda assim, a companhia estabeleceu nestes países o prazo limite de três anos para aguardar por uma legislação que regulamente o poker online, e encerrará suas atividades caso isso não aconteça até lá.

 

Para comprar ou vender créditos de poker, sem burocracia e com segurança. Acesse a ROYALpag.com. Receba em 5 minutos.

Danilo Telles

Danilo Telles

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker