Reciprocidade: A Causa do Lucro no Poker – Parte I

Por: 16/06/2010

 

No mundo da reciprocidade, não é o que você faz que mais importa, e não é o que eles fazem. É ambos. Reciprocidade é qualquer diferença entre você e seus oponentes que afeta seu resultado. Reciprocidade diz que quando você e seus oponentes fazem a mesma coisa em uma determinada situação, não há movimentação de dinheiro, e quando você faz algo diferença, há.

Você pode procurar ouro recíproco em qualquer lugar no universo do poker. Escolha um assunto, qualquer assunto. Pode ser tão vago quanto “escolha de comida” ou tão específico quanto “A-K no big blind em limit hold’em.” Você cava por ouro ao procurar coisas que pode fazer diferente no futuro, coisas que irão criar ou aumentar diferenças vantajosas entre você e seus oponentes, e dessa forma farão dinheiro teórico fluir deles para você.

Dinheiro teórico não se gasta, mas se inspira. Eu lembro da primeira vez que ouvi sobre ele na forma de “valor esperado” (EV). Eu aprendi que cada aposta tem dois resultados. Há o resultado esperado, baseado em análise, e o resultado atual, baseado em eventos.

Eu estava imediatamente e apropriadamente obcecado com dinheiro teórico. Tudo o que eu queria era meu placar. E quero dizer que eu queria sabê-lo logo depois da mão. Mas eu não tinha idéia de como determinar o atual valor esperado de uma street, muito menos de toda uma mão.

Sem perceber na época, eu me utilizei da minha vida anterior como jogador de torneios de bridge – onde meu placar era totalmente dependente do placar dos outros – e encontrei um meio de analisar uma mão de poker que satisfazia minha necessidade.

Depois do fim de uma mão, eu trocava de lugar com meu oponente. Eu dava a ele minhas cartas e minha posição, e tomava as dele, e fazia a análise recíproca. Eu imaginava como a mão se desenvolveria na situação contrária. Então eu pegava o resultado imaginário e comparava com o que realmente aconteceu, e teria uma idéia de quem realmente ganhou a mão, em teoria.

Às vezes eu não conseguia descobrir com muita precisão. Mas às vezes eu conseguia, especificamente quando a mão tinha muitas variáveis e ramificações, e estava contra oponentes conhecidos.

Por exemplo, digamos que eu dia eu tinha KK e Joe tinha AA. Nós jogamos a mão e Joe ganhou $100 de mim. Na hora eu fingia que tinha acontecido o contrário, eu tendo os áses e Joe com os reis. Eu jogava as streets e pensava nas linhas mais prováveis, pegava a onda de probabilidade resultante e colocava um número nela.

Neste exemplo, digamos que eu determinei que se tivesse os áses, teria ganhado $80. A equação seria assim. Joe ganhou $100 na realidade. Eu ganhei $80 e faz-de-conta reverso. Então meu placar atual na mão foi -$20. Você pode aplicar este método para revisar qualquer street em particular ou um grupo de streets.

Vamos continuar com este modo de pensar e dar uma olhada nas mãos iniciais do hold’em. Na verdade, como todos sabemos, a mão inicial menos lucrativa é 72, e a mão mais lucrativa é par de áses. Reciprocamente, a mão menos lucrativa também é 72, mas não porque é a pior mão. 72 é a mão menos lucrativa porque é a mão mais similarmente jogada.

Então qual é a mão mais lucrativa, reciprocamente falando? É par de áses? Não. A mão que tem o maior potencial recíproco deve ser uma mão que é jogada de várias maneiras diferentes. Será algo entre mãos que são raramente jogadas fora, e mãos que são raramente jogadas. Áses quase nunca são jogados fora antes do flop, então nós sabemos que eles não podem ser a mão mais lucrativa. Parece mais improvável que a mão mais lucrativa seja exatamente a mesma para todo mundo por todo o tempo e espaço, o que significa que a resposta varia de jogador para jogador. E isso significa que qualquer resposta que encontrarmos será apenas um palpite. Então que se dane. Eu vou primeiro.

A mão de hold’em que eu penso ser a mais lucrativa reciprocamente através dos anos é Q-T. Esta é a mão que eu acho que joguei mais diferente que meus oponentes, com maior freqüência.

Até agora, eu estive respondendo a pergunta: “O que é reciprocidade?” No resto deste artigo eu responderei as questões “Onde a encontramos, e onde sacamos?” ao examinar a reciprocidade da forma como se aplica em informação, posição, bankroll, sair do jogo, tilt e apostas. Traga sua picareta e sua peneira. Nós iremos procurar por ouro.


Quer mais Tommy? Seu livro, Elements of Poker, contém os melhores conselhos em seu estilo distinto. Compre no Amazon.com ou diretamente em seu website com dedicatórias personalizadas em TommyAngelo.com. Você também pode ler todos os artigos antigos de Tommy em seu blog.


Veja mais:

Salas de Poker