“Rizen” e Sua Carreira Como Jogador, Autor e Gerente de Sala

Por: 16/06/2012

um dos jogadores mais respeitados da comunidade do poker.

Nessa entrevista, ele fala sobre as etapas de sua carreira e suas opiniões sobre o mundo do poker.

Como foi seu primeiro contato com o poker?

Eu comecei a jogar poker porque meu antigo chefe jogava e me convidou para uma partida em sua casa. Gastar tempo extra com o seu chefe nunca é tempo perdido, então eu obviamente aceitei. Eu não estava numa situação financeira onde eu poderia perder muito dinheiro ainda, e eles jogavam com stakes razoavelmente altos para mim no momento, então comprei uns livros e comecei a praticar online. Isso foi em 2003. Em 2005 eu já fazia mais dinheiro jogando poker do que trabalhando. Pedi demissão em 2006, após guardar algum dinheiro. O resto é história!

Sabemos que você não é apenas um jogador patrocinado do Lock Poker, mas também tem um cargo importante na empresa. Poderia falar sobre sua função?

Eu também sou Gerente da Sala de Poker. Basicamente, nessa função eu absorvo melhorias a serem feitas no jogo e software. É muito bom ter a voz de alguém que vêm jogando poker por anos em nossas operações do dia-a-dia.

Como a Black Friday te afetou?

Bem, como jogador foi terrível. Sempre que você perde muitas escolhas como jogador é algo ruim. Da perspectiva de Gerente da Sala de Poker, foi uma grande oportunidade para nós.

E quanto à legislação do poker? Você acredita que o poker online será regulado em breve?

Eu acho que eventualmente será legalizado e regulamentado, mas o quanto isso vai demorar eu não faço ideia. Eu espero que isso ocorra o mais rápido possível, mas não acho que o poker é uma prioridade do governo agora.

E como jogador profissional, qual você considera sua maior qualidade?

Minha habilidade de manter a concentração por longos períodos de tempo sem entrar em tilt, além de não ser orientado para os resultados.

Você é um jogador profissional de torneios. Por que você prefere torneios ao invés de cash games?

Eu atualmente gosto tanto de cash games quanto de torneios, porém torneios me levaram ao poker e não há nada como a sensação de ir longe em um grande torneio. O lado negativo é que os torneios de poker exigem muito tempo comprometido.

Qual foi o seu melhor resultado?

Em termos de finais, eu já estive nas finais de todos os grandes torneios online. Já cheguei em 2º e 3º lugar em eventos do WSOP, porém meu maior cash foi no Main Event de 2006, quando ganhei quase US$ 500 mil.

Você tem uma rotina como jogador profissional?

Eu tento manter uma rotina. Acho que manter a alimentação e o sono regulados é muito importante para um jogador de poker. O cansaço e a fome podem levar a grandes erros na mesa, então ter sua mente e corpo prontos é muito importante para alcançar melhores resultados.

Você é casado? Como foi a aceitação da sua família em relação à sua carreira, você sofreu algum preconceito?

Eu não sou casado, mas minha família me dá muito apoio hoje em dia. Quando eu comecei a jogar houve um pouco de preconceito, mas agora que estou jogando com sucesso por anos, as pessoas já aceitam e muitos até acham que é muito legal.

Há algum livro de poker que foi importante no seu aprendizado?

Os livros da série Harrington no Hold’em foram essenciais para o meu jogo em torneios. E assim que eu comecei a jogar mesmo, o livro Hold’em Poker for Advanced Players provavelmente me impediu de quebrar e não querer voltar a jogar poker!

Falando sobre livros, você escreveu volume 2, junto com John “Apestyles” Van Fleet e John “PearlJammer” Turner. O que te levou a escrever esse livro especificamente?

Meu editor, Matthew Hilger, me procurou depois que eu escrevi alguns artigos para a revista CardPlayer e perguntou se eu estaria interessado em escrever um livro diferente. Depois que ele me explicou o conceito de pegar mãos reais de torneios online e fazer um livro sobre nosso processo de pensamento, ele me convenceu. Rapidamente nós concordamos que PearlJammer e Apestyles seriam grandes adições por causa das diferenças de estilo.

Você tem planos de escrever outro livro?

Lançaremos em breve o terceiro volume da série, e depois disso não tenho nada planejado.

Há algumas opiniões de que livros de poker já estão desatualizados e de que a melhor maneira de aprender poker é através de vídeos e coach. O que pode nos dizer sobre isso?

Livros sempre serão uma valiosa ferramenta para aprender, mas o poker é um jogo que se transforma com muita rapidez, e se você estudar apenas com livros, será deixado para trás. Eu ainda leio quantos livros puder, e eles são muito úteis para o meu jogo.

Dito isso, cada um aprende de uma maneira diferente. A melhor maneira de aprender é se conhecer e sempre olhar para o poker com uma mente crítica. Só porque uma pessoa aprende melhor com um coach não quer dizer que outra não irá aprender com livros ou vídeos. Depois de tantos anos, eu ainda sou um estudante do jogo.

Ainda sobre opiniões controversas, algumas pessoas dizem que o Hold’em está morrendo e o Omaha é o futuro do poker. Você concorda?

Eu acho que Omaha é um ótimo jogo, mas já ouço falar que será o futuro do poker desde 2007. Contanto que o Hold’em seja o principal jogo a ser televisionado, será o mais popular. Mas os jogos de Hold’em estão definitivamente MUITO mais difíceis agora.

E qual é sua opinião sobre o poker nos próximos anos?

Se a economia mundial se recuperar, acho que será algo muito saudável para o poker, mas se continuar a decair, os jogos ficarão mais difíceis nos próximos anos. Estou cuidadosamente otimista sobre o poker no futuro próximo.

Há alguém que você considere o melhor jogador atualmente?

Honestamente eu passo a maior parte do meu tempo agora focado na minha função como Gerente da Sala de Poker e não presto mais tanta atenção em jogadores individuais, então não posso responder isso.

E você já enfrentou jogadores brasileiros? O que acha deles?

Já enfrentei vários brasileiros! Alguns deles são bons amigos meus. Os que enfrentei são jogadores muito bons e apaixonados pelo jogo.

Eu gostaria agora de fazer uma pergunta um pouco mais polêmica. No Main Event do WSOP de 2006, você foi eliminado por Jamie Gold, na 24ª posição. Atualmente, muitos dizem que Gold é um dos piores jogadores do circuito, mas que foi incrivelmente sortudo. Qual é sua opinião sobre ele?

Eu acho que para vencer um torneio com mais de 8.000 jogadores, você tem que ter muita sorte. Eu tive muita sorte para chegar tão longe quanto cheguei. Todos os jogadores de poker tem qualidades e defeitos, e embora Jamie certamente tenha muitas fraquezas, ele usou seu stack muito bem naquele torneio. Também acho que o que as pessoas veem na TV e o que realmente acontece pode ser bem diferente.

Para encerrar, tem algum conselho para compartilhar com nossos leitores?

Apenas continuem a ser estudantes do jogo e apaixonados pelo poker! Isso será muito útil no futuro!

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker