Entrevista – Vovo_Leo

Por: 24/04/2010

João Studart: João G. M. Studart, moro em Boa Viagem, Recife-PE.  Minha atividade profissional é apenas o Texas Hold’Em. Atualmente sou 2º no ranking CardPlayer,  6º no ranking PocketFives, e 10º no ranking Superpoker.

Danilo Telles: Há quanto tempo você joga poker? Seu início foi difícil? Como você construiu o seu bankroll?

João Studart: Jogo poker desde 2005. Comecei jogando sit’n’gos , porque meu primo Luciano Studart era um dos melhores jogadores do Brasil em sngs no PartyPoker na época. Iniciei nos sits de $11, onde fiquei neles cerca de 5 meses, até chegar com bankroll suficiente pra encarar os sits de $22 e $33, onde fiquei cerca de 6 meses, até ingressar nos torneios do PokerStars. Comecei com bankroll de 50 dólares, zerei duas vezes, até que depositei $200, e o crescimento começou.

Danilo Telles: Você se considera um jogador tight ou loose? Quão agressivo?

João Studart: Me considero tight-agressive. Agressivo nos momentos que o jogo oferece a oportunidade de aplicar o loose-game.

Danilo Telles: Quais são as suas maiores qualidades no game?

João Studart: Acredito que minha melhor qualidade é a percepção e ao mesmo tempo o desapego. Aprendo rápido, porém não sou um jogador que joga 100%  baseado na matemática. Jogo muito o metagame e se acho que uma jogada é certa e necessária no momento eu a faço. Da mesma forma que, se uma jogada é matematicamente favorável a mim, mas eu não ache que seja o momento do risco. Não a farei simplesmente porque os “PROS” a fariam.

Danilo Telles: Qual foi o seu melhor resultado jogando poker?

João Studart: Em termos financeiros, meus melhores resultados foram:

Campeão do Wednesday Quarter Million

Campeão do Sunday Second Chance

No quesito emoção foram 2 no live poker:

Campeão do torneio das confederações- CBTH

Campeão da America’s Cup pela equipe do Brasil

Danilo Telles: Você já teve um mês “down” no poker? Como foi essa experiência?

João Studart: Já sim. Principalmente por ser um jogador de MTT, a variância as vezes é cruel. Passo por períodos de 20, 30 dias ruins. Apesar de reclamar de bad-beats, aquele chororô que todos nós fazemos, pela minha experiência a maré ruim é 70% cabeça, 30% variância. Muitas vezes sem perceber, mudamos nossa forma de jogar. Ficando mais impacientes, assumindo riscos em momentos impróprios, etc. Isso não significa que estamos jogando errado. Mas estamos fazendo jogadas corretas em momentos errados compreendem?

Se você está num momento ruim, minha dica é ter muita calma. Não se desespere com o dinheiro. Você deve controlar bem seu bankroll (grandes jogadores quebram por não terem boa administração de bankroll, e jogadores medianos se dão bem por serem bons administradores), assistam vídeos e leiam bons livros, já que esse jogo está em constante evolução, nunca sabemos tudo. E tenha paciência. Sua fase vai melhorar!!

Danilo Telles: Como é a sua rotina atualmente?

João Studart: Começo minha sessão no início da tarde, normalmente terminando entre 00h00 e 02h00.

Danilo Telles: Qual(is) jogador(es) estrangeiros você admira e por quê? E brasileiros?

João Studart: Os jogadores estrangeiros que mais admiro são PearlJammer, por sua grande qualidade de controle do pote, e Gboro780, que considero um indivíduo de alta periculosidade. Já no Brasil, a lista é vasta!! Luciano Monte, (Stunts25),  João Marcelo (João M.), Marcelo Seiroz (Mseiroz),  Cristiano Sherer (Cws33), Marco Costa (Mago79_007),  Xande (xande_br) , Jorge Toddy (jorgethiago), Perna (mtperna), Kassio_gomes, mestre_urubu… entre outros, que se esqueci, me desculpem!! TTodos esses são de alta periculosidade no game, jogam muito!

Danilo Telles: Você já leu livros sobre poker? Quais lhe trouxeram mais benefícios?

João Studart: Ao longo de 5 anos no game, nunca fui fã de livros de poker. Achava-os de pouco aprendizado, e preferia vídeos do PokerXFactor, etc. Mas ano passado, comprei o Winning Poker Tournaments – One hand At a Time, dos jogadores renomados Rizen, Apestyles e PearlJammer.  Achei esse livro de grande aprendizado, e um livro bom de ler, bem prático, com ótimas situações de jogo e análise de mãos. O volume II já saiu, tenho lido e me parece ser tão bom quanto o primeiro. Recomendo a todos .

Danilo Telles: Você usa algum software de poker? Se sim, qual?

João Studart: Uso apenas o TournamentShark, que pode ser encontrado no www.pokerprolabs.com

Basicamente ele diz as informações de profit, ITM, etc., O mesmo funcionamento do O.P.R, porém não me dá o trabalho de procurar um por um.

Danilo Telles: Se você tivesse que dar um único conselho para um iniciante, qual seria?

João Studart: Comece com calma, administrando bem seu bankroll. Procure jogar o que te dá mais prazer, sem ir a outras modalidades do jogo apenas pelo dinheiro (experiência própria). Três palavras são de ordem!!

Raça. Raça. Raça!

Danilo Telles: Se você tivesse que começar hoje do zero a sua carreira, com um bankroll de $150 dólares, como o faria? O que jogaria e em o que investiria? E se o bankroll fosse de $1000 dólares?

João Studart: 150 dólares é apertado para torneios, se fosse nessas condições acredito que iria nos sits de 180 pessoas de $4.40 até construir um BR mais confortável. Na condição de $1000 dólares, investiria nos torneios de rebuys. $3r, $5r e $11r.  Foram esses torneios que me impulsionaram, e acredito ser a melhor forma de bombar o BR.

Danilo Telles: Qual é o jeito mais rápido de aprender a jogar poker?

João Studart: Vídeos e artigos. Bons artigos em português estão à disposição atualmente, e existem inúmeros sites de vídeo-aulas, que é uma ótima forma de aprendizado rápido.

Danilo Telles: Você já fez alguma loucura com o dinheiro ganho jogando poker? Faria novamente? Como você gasta e administra as suas finanças atualmente?

João Studart: Acredito que a maior loucura que já fiz foi em 2007, quando comprei um carro caro para meu BR, e me atrapalhou bastante. Foi um erro que não cometo mais. Hoje em dia sou muito cauteloso com minhas finanças, já que sou casado e tenho uma filha. Não gosto de brincar com o dinheiro.

Danilo Telles: O que você gosta de fazer fora do poker? Quais são seus hobbies?

João Studart: Pratico tênis 3x por semana e academia 3x por semana. Fora isso gosto de sair com minha esposa e amigos aos finais de semana.

Danilo Telles: O que você pretende fazer daqui pra frente na sua carreira de jogador de poker? Onde você se vê daqui a 3 anos?

João Studart: Pretendo continuar figurando no top10 do Brasil, e se Deus quiser algum título grande online ou internacional.  Daqui a 3 anos me vejo disputando bons eventos internacionais com tranqüilidade, ou então com os cabelos todos brancos!! Porque esse jogo streeessssaaa!!!

Danilo Telles: Como você conheceu o MaisEV? E que parte(s) do MaisEV você mais gosta/freqüenta e porquê?

João Studart: Conheci o MaisEV através de amigos, e costumo freqüentar a parte de notícias. Pretendo começar a participar mais de fóruns com o pessoal da comunidade.

Danilo Telles: Você joga exclusivamente Hold’em ou também pratica outra modalidade?

João Studart: Só jogo Hold’em, mas tenho brincado no Omaha às vezes.

Danilo Telles: Como vê o futuro do poker? Acredita que o Omaha irá substituir o NLH?

João Studart: Acredito que o Omaha crescerá muito ao longo dos anos. Mas não acredito em substituição. O Omaha não é um jogo fácil, onde jogadores amadores aprendem com facilidade. A tendência é o crescimento, mas substituição acho que está fora de questão

Danilo Telles: Como foi a aceitação da sua família com sua profissão de jogador profissional?

João Studart: Graças a Deus minha família não teve reação contrária à minha escolha de jogar poker profissionalmente. Sempre me apoiaram, e só tenho a agradecê-los.

Danilo Telles: Qual foi a melhor experiência que o poker já te proporcionou?

João Studart: Fazer viagens e amigos por todo o Brasil. Tenho bons amigos em todas as regiões e isso é ótimo.

Danilo Telles: Você foi um dos jogadores que representou o Brasil (e venceu) na America’s Poker Cup do PokerStars. Qual sua opinião sobre o poker no Brasil e o nível dos jogadores brasileiros?

João Studart: No Brasil, a maioria dos jogadores são amadores, então o nível deles é abaixo da média dos regulares. Mas analisando o poker profissional dos Brasileiros que vivem disso, acho dos melhores níveis técnicos do mundo. Tenho admiração e respeito por muitos brasileiros e agradeço muito a confiança e apoio que muitos me dão.

Danilo Telles: Para encerrar, mande uma mensagem aos usuários do MaisEV.

João Studart: Desejo a todos que tenham um 2010 sensacional nesse jogo, que é de extrema dificuldade, mas se tem gente que perde, alguém tem que ganhar!! Se dediquem bastante que tenho certeza que vocês serão jogadores TOP!!! Visitem meu blog www.vovo-leo.blogspot.com e follow www.twitter.com/vovo_leo. Em breve estarei lançando o Mega-coaching, que acredito ser um aprendizado de bom custo-benefício a todos. Anunciarei no blog em breve.

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker