Entrevista – Marcelo “marcelojf” Faria

Por: 01/04/2009

Marcelo Faria: Meu nome é Marcelo, tenho 26 anos e moro em Juiz de Fora / MG. Sou formado em Economia pela Universidade Federal daqui e atualmente jogo poker profissionalmente (mas não jogo o tanto quanto eu deveria hehe). Estou na fase de transição da NL100 para a NL200.

Danilo Telles: Há quanto tempo você joga poker? Seu início foi difícil? Como você construiu o seu bankroll?

Marcelo Faria: Jogo poker desde 2002, com o pessoal da minha sala de faculdade. A gente jogava o poker fechado (5 card draw) e era algo bem fanfarra mesmo. Usávamos feijão como fichas, pra você ter idéia, e o buy-in era de R$1! Com o boom do poker (tyty Moneymaker), passei a assistir na ESPN e comecei a me interessar muito. Lembro que eu não perdia um programa sequer, coloca uns 3 alarmes espalhados pela casa para me lembrar que tal dia era dia de poker na ESPN.

A partir daí descobri um pessoal que jogava o famoso Texas Hold`em, em um jogo mais sério (buy-in de R$10) e fui me aventurar por lá. Todo o meu conhecimento era o que eu assistia na televisão (ainda tinha algumas dúvidas básicas nas regras e tudo mais), mas acabou que eu me saí bem e procurei me informar na internet. Aquela época era tudo muito recente, não existia essa facilidade de hoje, de encontrar tudo mastigado em uma receitinha de bolo. Acabei não me aprofundando e continuei jogando apenas por diversão, junto dos meus amigos. E até porque, eu tinha uma faculdade para terminar.

Resolvi levar isso adiante mesmo só por volta de 2005, quando arrumei meus primeiros créditos online. Era uma luta fazer meu bankroll crescer e passar de 50 dólares, por exemplo. Eu nunca estudava nada, jogava apenas no feeling e no que meus amigos me ensinavam. Até que um dia conheci o Super System 2 e resolvi ler. Mergulhei na leitura e não saí mais. Eu era muito donkey ainda, mas tava com o espírito de aprender. Depois li Theory of Poker e não parei mais.

Levei faculdade + poker até o final de 2006, quando, em um programa de intercâmbio, fui morar e trabalhar em Las Vegas (EUA). Vendi todo o meu humilde bankroll (não era muito) e deixei o poker online um tempo de lado, para trabalhar e, nas horas vagas, jogar um poker ao vivo mesmo.

Quando já estava pra voltar para o Brasil, em maio de 2007, fiz um depósito usando meu cartão de crédito em um site de poker e esse é o meu bankroll até hoje. Nessa época eu estava entre NL25 e NL50. Nunca mais olhei pra trás depois disso (e assim espero que continue).

Danilo Telles: Você se considera um jogador tight ou loose? Quão agressivo?

Marcelo Faria: Por mais simples que seja essa pergunta, é um tanto quanto complicado responder. Mas eu diria que eu sou um jogador tight que sabe se tornar loose quando necessário.

Danilo Telles: Quais são as suas maiores qualidades no game?

Marcelo Faria: Tilts cada vez mais esporádicos, facilidade em aprender e não ter vergonha de confiar em minha leitura

Danilo Telles: Qual foi o seu melhor resultado jogando poker?

Marcelo Faria: Já tive alguns dias de 8-9bi up em sessões curtas. Torneios eu sou um fracasso total, apesar de eu adorar jogá-los.

Danilo Telles: Você já teve um mês “down” no poker? Como foi essa experiência?

Marcelo Faria: Não, nunca. Já tive 1-2 meses em que eu saí no 0x0 (sem contar rakeback e promoções), mas de sair perdedor nunca tive.

Marcelo Faria: Passar um mês EVEN não é boa, mas é necessária pra você crescer como jogador e como pessoa. Por poker ser um trabalho em que se não possui um contra-cheque garantido no final do mês, você tem que aprender a deixar o ego e a preguiça de lado e a evoluir o seu nível cada vez mais. Lembro que passei por uma fase ruim quando estava na NL50 e resolvi jogar um mês inteiro na NL25 para ganhar confiança e fazer um pouco de dinheiro. Como eu estava focado e determinado, não deu outra, acabei fazendo 80bi em pouco mais de 20 dias.

Danilo Telles: Como é a sua rotina atualmente?

Marcelo Faria: Acordo por volta de 8h30-9h, tomo um café reforçado e vou pra academia. Fico lá a manhã inteira, volto pra casa, saio pra almoçar, descanso um pouco (vendo TV, lendo algum jornal) e vou pro pc, por volta das 14h-15h. Aí começa verdadeiramente o meu trabalho. Jogo até umas 19h-20h (em média) e o restante da noite serve ou pra ver a namorada ou pra eu ver algum vídeo que me interessa de escola de poker, ler artigos, discutir algumas jogadas com amigos e ficar de bobeira na internet mesmo. Vou dormir por volta de 1h da manhã.

Danilo Telles: Qual(is) jogador(es) estrangeiros você admira e por quê? E brasileiros?

Marcelo Faria: Online: sbrugby, SilentAssassin3, balugawhale, Zaitsev, SixPeppers e OMGClayAiken. Porque foram os melhores vídeos que eu assisti quando eu estava aprendendo a jogar. Hoje em dia alguns nem são tão fortes como antigamente, mas ainda assim possuem minha admiração.

Brasileiros são tantos. RoyalSalute, Bueno, Diógenes, Urbach, Ivanimwa, Binhozao, Eduts, Gui, Maneh.. São tantos que eu paro pra ler quando eles comentam alguma coisa no MaisEV. Vai ficar até injusto, certeza que eu esqueci de alguém.

E não posso deixar de citar Christian Kruel e o Raúl Oliveira, que conheci pessoalmente no Bellagio e são dois caras nota 10.

Danilo Telles: Você já leu livros sobre poker? Quais lhe trouxeram mais benefícios?

Marcelo Faria: Já li mais de 20 e 3 são indispensáveis. Theory of Poker, Ace on the River e Elements of Poker. O resto eu indico pra ler quem estiver com tempo.

Danilo Telles: Você usa algum software de poker? Se sim, qual?

Marcelo Faria: Sim. Holdem Manager, Telescope e SpadeEye.

Danilo Telles: Se você tivesse que dar um único conselho para um iniciante, qual seria?

Marcelo Faria: Nunca pare de estudar, nunca. Até mesmo o melhor jogador do mundo pode ficar pra trás se não se dedicar.

Danilo Telles: Se você tivesse que começar hoje do zero a sua carreira, com um bankroll de $150 dólares, como o faria? O que jogaria e em o que investiria? E se o bankroll fosse de $1000 dólares?

Marcelo Faria: Com $150 dólares eu jogaria NL10, com 15bi. Jogaria até chegar uns 400-500 dólares e já começaria a jogar NL25.

Com $1000 dólares eu já iniciaria na NL50, me permitindo perder 4-5bi para voltar para a NL25.

Danilo Telles: Qual é o jeito mais rápido de aprender a jogar poker?

Marcelo Faria: Através de um coach específico para o seu jogo.

Danilo Telles: Você já fez alguma loucura com o dinheiro ganho jogando poker?
Faria-a novamente? Como você gasta e administra as suas finanças atualmente?

Marcelo Faria: Loucura ainda não. Já comprei meu desktop novo, meu monitor, mas isso não é loucura. Também gosto de perfumes, roupas novas, então to sempre gastando uma graninha com isso, mas tudo dentro do limite. Nada extravagante.

Minhas finanças são bem separadas. Meu bankroll é meu instrumento de trabalho, então tento mexer nele o mínimo possível. Faço cashouts regulares, afinal sou eu que pago todas as minhas contas, mas tudo dentro do meu limite de X% para saque, Y% para guardar para um futuro move up e coisas do tipo.

Danilo Telles: O que você gosta de fazer fora do poker? Quais são seus hobbies?

Marcelo Faria: Sou alucinado por esportes, então pratico musculação e corro/pedalo todo dia. Atualmente estou parado do futebol (jogava 5x por semana) por causa de uma lesão no joelho, mas já já isso vai ser resolvido 🙂 Gosto muito de ir em bares, de sair com a namorada pra jantar, pra ver um filme… Enfim, coisas normais! 🙂

Danilo Telles: O que você pretende fazer daqui pra frente na sua carreira de jogador de poker? Onde você se vê daqui a 3 anos?

Marcelo Faria: Evoluir a cada dia mais. Me estabilizar na NL200 por enquanto e já me preparar para o move-up. Sempre estudar, me dedicar e nunca desanimar.

E daqui a 3 anos (ou um pouco mais ou um pouco menos), quero deixar o poker online de lado um pouco e me dedicar ao circuito live de torneios pelo mundo afora. Apesar de eu ser extremamente fraco nesse tipo de competição, adoro jogar torneios e meu sonho é ter um schedule regular nos WSOP, WPT, EPT, LAPT etc. Vou me dedicar muito pra isso. Quer coisa melhor do que conhecer o mundo jogando poker? 🙂

Danilo Telles: Como você conheceu o MaisEV? E que parte(s) do MaisEV você mais gosta/freqüenta e porquê?

Marcelo Faria: Sinceramente não lembro como eu conheci o MaisEV(sou muito ruim de memória). Mas o MaisEV é a minha segunda casa e chego a ter calafrios quando o servidor fica fora do ar. Frequento quase todas as sessões e não perco um só tópico da parte de Medium e High Stakes. Tem muito aprendizado ali e recomendo a todo mundo “perder” uns 20-30min por dia lendo esses tópicos.

Danilo Telles: A próxima pergunta foi feita por outro usuário do nosso fórum, MazinhoRufin: Você já jogou alguma vez fora do seu bankroll? Se sim, como foi essas experiência?

Marcelo Faria: Quando eu estava scared money, tomei três pancadas que me abalaram muito e serviram para eu aprender (da pior maneira possível, no bolso) que controle do seu dinheiro é quase tudo pra um jogador de poker. Não interessa o quão habilidoso você é, se a sua leitura dos adversários é a melhor da mesa, uma hora a variância vai te acertar.

Não vou ficar contando as histórias das minhas bad beats aqui (acontece com todo mundo, acredite), mas se eu tivesse um bankroll 2-3x maior do que eu tinha na época, eu nem ligaria muito. O teu bankroll é o teu INSTRUMENTO de trabalho. Tente pensar assim e não como “nossa, eu tenho tantos mil dolares na minha conta, que maravilha”. Teu dinheiro é o que está no banco, não no seu Neteller.

Espero ter respondido sua questão!

Danilo Telles: Mande uma mensagem aos usuários do MaisEV.

Marcelo Faria: Tenha sempre um segundo plano. Nunca desista dos seus sonhos. Acredite em si mesmo. Se dedique. Se sacrifique por seus objetivos. E sempre use filtro solar! 🙂

Um abraço e boa sorte nas mesas!

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais: