Entrevista Com Kelvin Kerber

Por: 10/11/2012

Como você conheceu o poker?

Pelo poker ser um jogo sempre presente nos filmes e tal, sempre tive curiosidade de aprender, até que tive a chance através de uma comunidade chama “FP:AR” do falido orkut (Dai vem meu nick). Criei uma conta no PokerStars na metade de 2010, e joguei por um tempo freerolls

Mas depois de criar a conta teve aquela febre, de jogar alguns dias, depois “perdeu a graça” até que alguns meses depois, através de outra comunidade, agora de tênis, estavam organizando um torneio só para membros, eu era super donkey, só sabia as regras, e esse torneio para membros daria dinheiro, deu 8 jogadores e eu ganhei o torneio, e fiz meu primeiro $4 dólares. Isso foi no fim de 2010. Depois disso nunca mais parei de jogar.

Quantos anos você tem? Qual é seu background anterior ao poker?

Tenho 20 anos (completo 21 no dia 19 desse mês). Iniciei o curso de Educação Física em 2009 aos 17 anos e parei no segundo semestre, e em 2011 de Administração parando ainda no primeiro semestre, ambos os casos por falta de dinheiro para manter a faculdade.

Antes do poker eu trabalhava como auxiliar administrativo em uma empresa de ótica. Fiquei lá por 2 anos antes de largar para tentar ser poker pro.

E como foi a transição para poker pro?

Eu conhecia o Rodrigo Scartezini através de algumas comunidades de poker que bombavam em 2010 , e ele já era jogador do Steal Team na época, e era um cara muito prestativo, ajudava via skype a tirar dúvidas, dava opiniões sobre situações… Isso tudo comigo jogando MTTs de 1, 2 dólares.

Então em determinado momento, ele veio me falar que o Steal Team estava contratando. Deixou claro que seria difícil, porque eu jogava muito barato e quase que sem volume, mas que me indicaria. Nisso eu conversei com o Evandro Vitoy, que pediu um hand history meu, eu enviei e eu não sei qual a loucura que deu no Evandro para querer convidar pro time um cara que sequer jogava 50 torneios em um mês e com average buy-in abaixo de $1, mas ele me convidou. Mas para isso eu teria que largar o emprego, então recusei, apesar do meu salário na época ser baixo, era uma segurança, muito diferente de ser poker player

Nisso 2 dias se passaram, e essa recusa tava me angustiando pra caramba. Conversei com algumas pessoas que de certa forma me abriram os olhos. Então conversei com minha mãe, expliquei o que queria, e ela apoiou pra largar o emprego e tentar, isso em agosto de 2011.

Eu teria seguro-desemprego por 5 meses, depois disso se eu não tivesse ganhando um mínimo aceitável no poker eu voltaria a trabalhar para terceiros.

Você chegou a fazer depósitos ou começou com dinheiro de freerolls?

Antes de entrar pro Steal Team eu joguei com os $4 que ganhei naquele freeroll que uma comunidade de poker ofereceu. Transformei esses $4 em dinheiro suficiente para grindar os micros.

Como fez isso? Jogando sit and go’s de centavos?

Sim, estudei o jogo, lembro que grindava pesado os artigos do MaisEV, e comecei jogando os sngs de 0.10 e 0.25 até subir para os de $1, depois de $2.5.

Mas eu jogava os sngs regulares, não curtia turbo, então jogava $1 de 45 pessoas e $2.5 de 90 pessoas, sempre depois do trabalho, um volume bizarramente baixo.

Então entre outubro de 2010 até agosto de 2011 foi isso que eu fiz, só grindando baratinho, por conta do bankroll. No começo de 2011 cheguei a jogar cash game no Full Tilt, por cerca de 3 meses, mas só NL2 e NL5. Não deu muito certo

Nessa época você já frequentava o Fórum MaisEV?

Sim, até hoje eu lembro de uma mão de que postei no fórum quando ainda era bem fraco e antes de entrar pro Steal Team, ali por abril de 2011, e antes disso já grindava o fórum para ler estratégias de MTT.

E como foi depois que você entrou no Steal e se tornou profissional?

Entrei no Steal em agosto de 2011, jogando torneios até 11 dólares e turbos até 5. No meu segundo dia de time estrelei e ganhei um torneio de $3 que deu $1.000. Isso pra quem tinha como top prize $180 era simplesmente algo surreal. Mas depois disso eu dei uma patinada, grindava pesado, estudava bastante, mas demorou uns 2 meses até que eu desse alguns passos.

Lembro que tive um mês positivo em agosto e setembro, mas em outubro fiquei negativo, e isso já me deixou meio em dúvida sobre minha capacidade, pra você ver como eu não tinha noção nenhuma de variância, daí novembro foi mais um mês positivo, mas nesses meses positivos, era pouco dinheiro, eu jogava barato.

Em novembro já tava jogando mais alto, mas ainda nada demais, então não era suficiente pra tirar muito mais do que no meu emprego formal. Mas veio dezembro e aí sim, um mês muito bom que fez com que eu desse um boom. Ganhei em confiança, renovei com o Steal para todo o ano de 2012 já jogando um pouco mais caro. Dezembro de 2011 foi o mês chave na minha carreira.

E 2012?

Ah, pra 2012 eu vim cheio de objetivos, já sabia o que jogaria pelo ano todo. Sabia que tinha essa capacidade de grindar, então coloquei na minha cabeça que, em meu primeiro ano de fato como profissional eu queria ganhar visibilidade.

Teve um tópico do MaisEV sobre objetivos para 2012, os meus eram: Jogar 14 mil torneios no ano, TOP 5 ranking superpoker, TOP 100 TLB anual, 100 mil de lucro.

O top 100 na TLB e o ranking superpoker já estão bem encaminhados, os 14 mil torneios também. O lucro a gente ainda depende um pouco de variância, mas é uma meta real.

Então você vê, pra um cara que terminou o ano jogando buy-in médio de $15, são metas BEM ousadas. Mas eu sabia que esse ano seria pra isso, abdicar de muita coisa e trabalhar pesado, e foi o que eu fiz nos primeiros 8 meses do ano, depois eu de fato relaxei.

Por que você relaxou?

Não sei se relaxar é a palavra certa. Desde agosto eu tenho jogado os grandes torneios lives. Joguei 2 dos últimos 3 BSOP e vou para SP jogar o Million, joguei o Masterminds, joguei 1 etapa do catarinense. E cada viagem para os torneios grandes, é praticamente 1 semana perdida, então faz com que deixemos de jogar muitos torneios online.

Talvez também seja cansaço, jogar mais de 1500 torneios por tantos meses consecutivos é bem cansativo,

Esses torneios live fazem parte do acordo com o Steal?

O acordo se resume a torneios online, então eu negocio cada torneio live de forma separada com eles. Os eventos do BSOP eu joguei para eles, o Masterminds eu joguei por conta, então não tem muita regra. A gente senta e vê o que agrada ambos os lados e é isso.

E como tem sido jogar live?

Diferente, é muito esquisito. Pra quem tá acostumado com action toda hora, sentar e em alguns momentos ter que foldar por 1 hora é puxado, viu.

Os últimos torneios já tem sido melhores, tô conseguindo me manter mais paciente, mas ainda não obtive nenhum resultado.

Como sua família encarou sua nova carreira?

No começo com a desconfiança padrão, e a partir do momento que o dinheiro começou a entrar, facilitou. Tudo é estranho até verem que funciona, aqui não foi diferente. Hoje em dia tenho um suporte bem massa aqui em casa.

No online, quais torneios joga agora?

Atualmente tô jogando quase tudo, com a volta do FTP então tá bem gostoso montar a grade. Praticamente só bons torneios, diminuíram os catrupes agora é a hora de jogar menos mesas e focado, pois não faltam bons torneios.

Meu average buy-in atualmente tá em $40 porque eu ainda curto jogar os torneios mais baratos, jogar só os caros torna o jogo muito difícil, os baratinhos são bons para diminuir a variância do jogo.

E qual torneio é aquele seu “arroz com feijão”?

Tem alguns, acho que o $22 de $12.000 é o principal deles. Jogo bem ABC só pra me manter no jogo e na hora que der a reta final dele aí sim dou uma concentrada. Ele paga cerca de $3.000 e tem um field fraquíssimo.

Você já teve algum “a-ha moment?”

Sem duvidas foi o primeiro coach que tive no Steal Team. É difícil explicar com precisão, mas vi um universo do poker totalmente diferente. Foi feito pelo Bauer, e na época um divisor de águas.

Qual foi a lição mais valiosa que aprendeu nesse coach?

A capacidade de entender boards para valores e para blefes.

Quem é o jogador que você mais respeita no Brasil? E no MaisEV?

No MaisEV são o Cheveau como jogador de torneios e o Roqueiro como jogador de cash games. Dois grandes caras com muito conhecimento e gente boníssimas. O Cheveau eu posso dizer que é um grande amigo que fiz no poker.

No Brasil é muito delicado, porque são muitos caras! Eu curto demais a capacidade técnica do Ariel Bahia e do Nerdguy e a facilidade com que o Pessagno faz dinheiro. Sem falar nos caras do Steal, como o Bauer, Lirola, a Larissa, que me ensinaram muito e são jogadores sensacionais.

Falar de nomes é chato que sempre deixamos alguém de lado, o diegokeep também é um cara que me ensinou muito, o dowgh-santos e o pitaoufmg também…

Quais você considera seu maior defeito e qualidade no poker?

Defeito é a incapacidade de manter uma rotina boa por um longo tempo. E qualidade acho que é a capacidade de jogar por muitas horas em alto nível.

Como você lida com a variância?

É difícil né, já tive 3 downswings de 5 dígitos, a maior delas de $15 mil. Tem que tentar manter o jogo em alto nível, o grande jogador é aquele que consegue isso. É difícil, acho que só um ou outro consegue de fato, mas é algo presente em nosso dia a dia, temos que aprender a viver com ela.

Eu nunca tive uma downswing muito forte, mas também nunca tive nenhum hit decente. Sei que em breve experimentarei ambas as sensações.

Pra encerrar, quais são seus planos pra 2013? E no longo prazo?

Ainda não planejei muito 2013, não sei se vou permanecer no Steal Team ou se vou jogar por conta, não conversei com eles a respeito. Pretendo jogar bastantes torneios live de grande porte, e grindar online tanto quanto em 2012. Com mais experiência do que tinha esse ano, acho que 2013 vai ser um excelente ano para mim.

 

Foto: Hugo Dourado/Pokerdoc

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker