Em Exclusiva, Mojave Fala Sobre o Caso FTP: “Foi Incompetência”

Por: 08/10/2011

Com um currículo que inclui mesas finais na WSOP, WSOPE, EPT , English Poker Open e um título no WSOP Circuit, Felipe “Mojave” Ramos é um dos maiores nomes do poker nacional. E também era um dos brasileiros patrocinados pelo Full Tilt Poker quando a Black Friday pegou todos de surpresa.

A equipe do MaisEV entrevistou Mojave no BPT Florianópolis, que falou pela primeira vez e com exclusividade sobre o Full Tilt Poker após os fatos do dia 15 de abril. Sem rodeios, o craque mostrou seu ponto de vista sobre a situação, falou sobre seu contrato com o Full Tilt, seus planos para o futuro e muito mais. Confira a seguir:

O que aconteceu com o Full Tilt Poker? Esquema Ponzi ou apenas incompetência da direção?

Na minha opinião, foi incompetência. Isso apenas minha opinião. Eu não tenho prova de nada. Mas eu acho que foi incompetência mesmo. Vou te falar, eu era apaixonado pelo site, o site tinha melhor software, tinha os melhores jogadores como profissionais, caras que eu era muito fã. Eu era super bem tratado pelo site, tudo que eles poderiam fazer por mim, sempre fizeram, tanto que tentaram me contratar diversas vezes até conseguir. Então eu me senti prestigiado.

Aí, depois, a gente viu os fatos que aconteceram. Na minha opinião, foi problema de má administração mesmo, porque o site nunca ganhou tanto dinheiro do que ganhava quando quebrou. Eu não consigo enxergar onde que a conta não fecha, se alguém não estivesse tirando dinheiro da empresa. Obviamente, não estou acusando ninguém de nada. Se alguém tirou dinheiro ou se ninguém tirou. Mas que tem alguma coisa de errado, isso tem. E aí entra o fato do desrespeito de todos eles da organização, tanto com os jogadores quanto com os profissionais. Porque eu não tinha noticia nenhuma, não sabia mais do que um jogador comum. Como profissional do site, fui negligenciado. Nem do cara que me contratou, não recebi uma ligação, não recebi um email, não recebi absolutamente nada. Nenhuma satisfação. Tenho dinheiro bloqueado no site, tenho dinheiro de reembolso de despesa, pagamento de contrato… e obviamente não vou receber nada disso.

Qual é a situação de seu contrato com o Full Tilt?

Eu fiz questão de cancelar meu contrato, quando aconteceu isso (Black Friday). O dia acho que foi 30 de junho. Eu estava jogando o WSOP. Aliás, eu comecei jogando o WSOP dando um crédito enorme pro Full Tilt, jogando com o patch, achando que a situação ia ser revertida. Daí o site fechou de vez e, ai eu mesmo fiz um anuncio, falei que a partir daquele dia não era mais jogador do FTP, e que não ia mais representar a marca acontecesse o que acontecesse. E falei que num futuro próximo, se a marca fosse reavivada de alguma maneira com uma nova administração e quisesse me contratar ia ser um outro negócio. Nada a ver com o negócio que eu tinha antes. Assim como eu vou avaliar o negócio de outra empresa também, se surgir.

Quais são seus planos pro futuro? Acha que ainda vale a pena ser patrocinado, já recebeu outra proposta?

Eu já recebi sondagens e propostas. Recebi proposta de dois sites teoricamente grandes. Na verdade, nos sites que eu trabalhei, eu sempre tive a oportunidade de fazer um bom trabalho, então eu posso te confirmar que eles já me procuraram pra eu voltar a trabalhar. E isso pra mim foi uma coisa muito interessante e gratificante. Saber que os sites em que eu trabalhei, dos quais eu saí, em teoria, pra ir pra um caminho melhor, que eles gostariam que eu voltasse. Isso é sensacional e mostra o meu valor. Agora, eu recebi propostas de sites novos também e estou avaliando. Porque eu não quero realmente assinar contrato com site nenhum que não seja um acordo de longo prazo. Não tenho interesse nenhum em fazer algum acordo financeiro e associar minha imagem a um site, se for algo de curto prazo. Ainda mais eu que já fui associado a três sites. Não tenho interesse nenhum em me associar a um quarto se não for uma parceria duradoura.

Quanto você acha que isso prejudicou a imagem do poker online?

352%! Acabou ferrando todo mundo. Ferrou não só o mercado, como os jogadores também. E eu, como jogador, fazendo um puta trabalho pra tentar fazer o poker ser bem visto, e uma empresa de poker acaba atrapalhando tudo. Isso mais por conta de ignorância do povo em geral do que por conta do que aconteceu. Quantos bancos a gente já não viu quebrar, quantas empresas sérias e boas não tiveram problemas administrativos? Tem gente que compra o leite da Parmalat até hoje. E aí? Então é mais ou menos essa comparação.

Você voltaria a jogar no FTP? Se sim, sob quais condições?

Então, vou separar a pergunta. Primeiro resposta: não. Porque o modo que foi tratado foi totalmente fora do profissionalismo e ninguém tem interesse em trabalhar, ou melhor, eu não tenho interesse em trabalhar com a empresa desse jeito.

Por outro lado, você tem o lado consumidor. Por exemplo, porque um cara ainda compra o leite da Parmalat? Possivelmente porque é o leite mais barato da prateleira. Então, se o cara tem uma necessidade, ele vai e compra o leite. Por isso eu acho que se o Full Tilt voltar, pessoas vão voltar a jogar lá. Por que? Porque o jogador de poker vai sentir necessidade, ele vai ver que o PokerStars tem um site grande, que é o site que forma Sit And Go toda hora, muitas mesas de cash game, e outros sites não tanto assim. Daí volta o Full Tilt, com uma mega duma estrutura, com o software que continua sendo pra mim o melhor do mercado… e os jogadores vão voltar a jogar, por necessidade.

Por que você acha que o software do Full Tilt é melhor que o do PokerStars?

Cara, o software do PokerStars também é excelente, também gosto bastante. Mas eu acho que o do Full Tilt é melhor por conta de todas as inovações. Não é uma questão de gosto, de layout, nada disso, mas de funcionalidade mesmo. Eu acho o site mais funcional,  acho que o site inovou muito. Por exemplo, o break sincronizado foi o Full Tilt que inventou. Isso foi uma grande sacada. Torneio multi-entrada, matrix poker, rush poker, as mesas shallow e várias outras  coisas. Eu já falei no começo da entrevista que era apaixonado pelo site. Quando me convidaram eu estava louco para entrar e não podia. Tinha contrato, tinha que esperar e aí a gente foi negociando. Eu tinha um plano de carreira dentro da empresa. O que aconteceu foi decepção e senti uma dor muito grande, muito maior do que qualquer um.

E em que ponto você estava nesse seu “plano de carreira”?

Eu estava desenvolvendo muito bem, até porque o primeiro torneio que eu joguei pelo Full Tilt Poker eu ganhei o WSOP Circuit. Quem é que começa um contrato de patrocínio, vai pra um torneio daquela relevância e ganha o torneio?

Quais seriam as condições para você fazer um novo contrato de patrocínio com o Full Tilt?

No meu caso, só voltaria para lá se mudasse a administração inteira do site. Se alguém falar: “eu sou o dono do site. Então se você tiver algum problema, você vai reclamar comigo. Eu estou te contratando, as condições são essas e a gente vai firmar um contrato no Brasil.” Essas são as minhas condições. Porque, infelizmente, do jeito que a gente trabalha, e todos estão assim, a mercê, ninguém tem como entrar com uma ação, fazer nada contra o site, porque eu não sou cidadão residente onde o site tava baseado administrativamente. Não posso entrar com uma ação contra ele. Já falei com meu advogado e ele falou que eu poderia muito bem ter um contrato, uma representação com uma empresa internacional, e firmar um contrato aqui. Assim eu voltaria.

Uma das últimas notícias sobre a nova administração é de que os atuais administradores podem continuar sendo acionistas da empresa. Isso faria alguma diferença pra você?

Como acionistas faria total diferença. São as mesmas pessoas, ou podem ser as mesmas pessoas que ,sei lá, desviaram dinheiro, fizeram alguma bobagem. Agora, na questão administrativa não. A questão administrativa ela é muito boa no Full Tilt. Por exemplo, as pessoas do site que tratavam comigo no dia-a-dia sempre me atendiam muito bem, e eram bem competentes. A única coisa que tinham que fazer no Full Tilt realmente era mandar 100% das pessoas embora, principalmente do suporte ao cliente, que era terrível, e criar um suporte ao cliente novo, que era um dos principais problemas do site.

Outra notícia sobre o grupo que deve comprar o FTP é que eles devem dar ações da empresa para os jogadores que tem mais dinheiro preso na conta, como forma de diluir os custos. Se fosse esse seu caso, você aceitaria?

Se fosse o caso, eu aceitaria agora, nesse momento, porque meu dinheiro tá perdido. Então eu prefiro ter ações de alguma coisa do que não ter nada. Porém, esse é mais um fato desrespeitoso, porque se você tem dinheiro, você tem dinheiro. É mesma coisa que você comer lá na churrascaria e pagar lavando prato.

E se te dessem a opção de escolher entre ações ou seu dinheiro de volta. Você acreditaria no futuro do FTP e aceitaria as ações, ou receberia o dinheiro?

Então, foi o que eu falei. O povo trabalha através da necessidade. Eu ainda acho que no mercado de poker existe a necessidade de um segundo player, que hoje não existe. Hoje tem um player (PokerStars) e terceiros players. Não tem mais segundo player no mercado. Então, como concorrente principal, eu com certeza seria um acionista dessa empresa, porque eu acho que tem um futuro promissor. Principalmente por causa do software que eles tem. E também porque eu como jogador, pela experiência que eu tenho no mercado do poker, tenho certeza de que as pessoas voltarão a jogar lá.

A questão de voltar a jogar é a seguinte: necessidade e oportunidade. Não estou falando do software. Mas se o site volta com um grupo famoso, conhecido, de boa reputação, com bastante dinheiro, vai lá e faz a semana do multi-million garantido.  Aí vai lá e faz um torneio de 100 dólares de inscrição, com 1 milhão garantido e poucos inscritos, uns 200 jogadores. Vai sair todo mundo correndo prá lá atrás do dinheiro. Eu vou ser um que vai lá registrar no torneio, porque eu vou ver dinheiro lá, vou ver minha capacidade como jogador de poker de entrar e ganhar o torneio com uma facilidade muito maior. Daí minha necessidade vai falar mais alto.

Por: Alexandre Ferreira e Danilo Telles

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker