Compreendendo a Força Relativa das Mãos

Por: 03/02/2015

Para começar, vamos definir o termo Força Relativa das Mãos. Para mim, significa como sua mão se compara em valor com o range do seu oponente baseado na informação disponível. Isso também varia dependendo da ação que você planeja e é medido pela equidade que você tem no pote.

O primeiro erro que as pessoas cometem é confundir a Força Relativa das Mãos com a Força Absoluta das Mãos. Você sabe muito bem que AA é a melhor mão pré-flop e um royal flush é a maior mão pós-flop. Mas é o que está no meio que causa problemas. Para simplificar, vamos usar o grupo de mãos de Harrington.

  1. O Nuts (a melhor mão)
  2. O quase nuts
  3. Uma mão boa
  4. Uma mão com algum valor
  5. Bluff catcher
  6. Lixo

Jogar o nuts e o lixo é sempre fácil. Com o nuts, aposte o máximo que o oponente possa pagar e fold (ou blefe) com o lixo. O quase nuts também é relativamente fácil de jogar. Se você não vai foldar para uma aposta ou um raise, trate a mão como o nuts. Uma mão boa significa que você quer apostar, mas vai dar bet/fold em várias circunstâncias se o vilão aumentar. Uma mão que tenha algum valor é aquela que você dá check até o final. O bluff catcher é aquela com a qual você paga se acha que a aposta do vilão é um blefe.

O problema é que uma única mão pode se encaixar em várias categorias dependendo das circunstâncias. A primeira é o board.

Vejamos um tipo de mão que a maioria das pessoas tem dificuldade em encaixar em uma categoria, os sets. A maioria das pessoas vê os sets como mãos muito fortes de maneira absoluta. Ainda assim, no river, sets serão a melhor mão absoluta em pouquíssimos boards. É um número tão pequeno que você realmente pode escrever cada board desses dentro de milhares de boards possíveis. Quase todo board pode ter um straight. Qualquer board com 3 cartas para o flush pode ter um flush. Um board com par pode ter quadra.

Sendo assim, raramente um set será o nuts. Se o board não tiver um flush em potencial, o set será uma boa mão. Se tiver um flush em potencial, cai para uma mão com algum valor. Em um board com flush com várias pessoas na mão, o set menor é como um bluff catcher. Finalmente, o set é um lixo se o board for todo do mesmo naipe no river.

Claramente, se um set pode ser um lixo no river, top pair não será melhor. Se você só aprender uma coisa nesse artigo, então que seja: Top Pair nunca é mais do que uma mão boa no flop. A mão vencedora média em No-Limit Hold’em é dois pares.

O segundo fator é a ação que você está enfrentando.  Quanto mais vilões tiver na mão, mais forte terá que ser sua mão para vencer. Em ação heads-up, ter o segundo ou terceiro melhor flush é muito bom no flop ou no turn. Com 3 pessoas apostando, rapidamente se torna um bluff catcher.

O terceiro fator é que Força Absoluta das Mãos não considera sua mão contra uma outra mão única. KK é a segunda melhor mão inicial, mas quando enfrenta AA, você estaria melhor tendo 65º. Sua equidade é na verdade maior. Sem contar o fato de que é mais fácil que você seja pago com 65o do que com KK.

O próximo elemento de força relativa é a diferença entre boa equidade e má equidade. As equidades não são iguais. Vejamos dois exemplos: KT vs. 87. Há um raise antes de você e você paga com as duas mãos, em mãos separadas. O flop é K65r. Digamos que o range do vilão é um contra o qual você tenha a mesma equidade seja com KT ou 87. O argumento de Janda (Matthew Janda, autor do livro Applications of No-Limit Hold’em) é que a equidade do 87 é superior por algumas razões. A mais importante é que se você acertar seu draw, o aumento na equidade será muito maior do que com KT. Com KT, você ainda pode estar derrotado enquanto com 87 você terá uma mão que vence todo o range do oponente. O segundo fator é que você não se coloca em uma situação de implied odds reversas. Se você não acertar o straight draw, pode foldar facilmente já que sua equidade cai, e com KT você continua preso nas mesmas questões que enfrentava antes do flop.

Depois disso, há uma range de reação para uma aposta, especialmente no river. Entre as poucas pessoas que realmente pensam sobre ranges, o erro mais frequente é como aplicar seu conhecimento.  Digamos que você coloque um vilão em um range e pense “tenho 80% de equidade contra o range dele. Vou postar.” O problema é que é mais provável que o vilão desista das mãos que você vence. Você arriscou dinheiro sem possibilidade de retorno.  Se ele tiver um monstro escondido, vai pagar ou aumentar feliz, te custando dinheiro. A chave é pensar no range de call dele e sua equidade contra isso. Apostas no river quando você está na frente são apostas com dinheiro empatado. Você precisa vencer amis de 50% das vezes contra o range de call e de raise do vilão para ser lucrativo.

Na verdade, eu combino com a velha regra de ouro de David Sklansky de que você precisa ter aproximadamente 55% de equidade contra o range de call do vilão. O principal motivo para isso é que a maioria das pessoas são muito otimistas em relação aos ranges dos adversários. Se você acredita ter uma vantagem maior contra seus vilões do que David Sklansky tinha em 1970 contra os dele, OK. Mas entenda que as pessoas naquela época achavam que JTs era o nuts pré-flop porque podia fazer um straight alto ou baixo.

Por último, mas de forma alguma menos importante, está a posição. A força da sua mão é muito melhor em posição do que fora de posição. Você precisa de um valor melhor de suas mãos de implied odds e até mesmo seus monstros pré-flop permitem economizar apostas quando você está perdendo em posição.

Além do river, há algumas considerações. É importante perceber que o iniciante que perdeu todo o stack com a segunda melhor mão está sendo caçado até a extinção. Você vai ser muito derrotado com a melhor mão se acha que pode apostar/apostar/apostar com Top Pair Top Kicker e vencer.

Você precisa saber duas coisas. Primeiro, com que grupos de mãos ele vai apostar/aumentar tanto pré-flop quanto pós-flop. Algumas pessoas olham para qualquer mão ou draw de valor como mãos que valem um raise. A segunda coisa é, com o que ele vai pagar? Novamente, alguns precisam do quase nuts ou de um draw forte, enquanto outros pagarão com quase nada. Você pode explorar essas tendências, mas apenas se souber traçar a linha que diferencia os dois.

 Publicado originalmente no fórum norte-americano TwoPlusTwo.

 

Curta a página do MaisEV no Facebook e siga-nos no Twitter.

 

Conheça agora os melhores livros de estratégia de poker

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker