Reciprocidade: A Causa do Lucro no Poker – Parte Final: Apostas

Por: 21/07/2010

 

Reciprocidade de apostas é a diferença entre suas decisões de apostas – raise, bet, call, check e fold – e as dos oponentes. Há duas maneiras de pensar sobre reciprocidade de apostas. Eu escrevi sobre elas na abertura desta série de artigo, e gostaria de expandi-las agora.

Uma maneira é trocar alguns parâmetros com seus oponentes, projetar o futuro desta realidade, e comparar. Eu chamo isso de análise recíproca.

A outra maneira de pensar sobre reciprocidade de apostas produziu esta conclusão: “A mão de hold’em que eu penso ser a mais lucrativa reciprocamente através dos anos é Q-T. Esta é a mão que eu acho que joguei mais diferente que meus oponentes, com maior freqüência.”

Continuando daí, depois de Q-T na minha lista de mãos mais lucrativas vem K-T, Q-J, J-T, K-9, etc, não necessariamente nesta ordem exata, mas é por aí. A razão para estas mãos causarem a maior quantidade de movimento recíproco é porque estas mãos trazem mais conseqüências na diferença em como uma mão começa a ser jogada, que é antes do flop.

E vou listar as maneiras que dois jogadores podem começar uma mão, começando pela menos conseqüencial e movendo em direção às diferenças que fazem a maior diferença. Se, em uma dada situação pré-flop:

1) Dois jogadores desistiriam, então nenhum dinheiro recíproco se move entre eles nessa mão.

2) Dois jogadores pagariam antes do flop, ou se ambos aumentassem, também nenhum dinheiro se moveria entre eles antes do flop. Pode haver movimento recíproco na mão após o flop, dependendo de quão diferente eles o jogassem.

3) Um jogador paga antes do flop quando o outro aumentaria. Aqui nós temos movimento recíproco antes do flop, com potencial para mais depois do flop.

Até agora, ou ambos os jogadores viram o flop, ou ambos não viram. Há duas outras maneiras de continuar:

4) Um jogador desiste antes do flop quando outro pagaria.

5) Um jogador desiste quando outro aumentaria.

Se é verdade que o movimento recíproco máximo em potencial ocorre quando um jogador vê o flop quando outro não veria, então a mão mais lucrativa será aquela que mais freqüentemente gera a diferença joga/não-joga, que, para mim, por minhas estimativas, é Q-T.

Depois do flop, não importa como alguém chegou lá, nós podemos focar as lentes da reciprocidade em uma única aposta, ou street, ou combinação de streets, e fazer uma análise recíproca. Por exemplo, é limit hold’em no river e você tem a melhor mão. Você aposta e o oponente paga. Se a situação se revertesse, e seu oponente apostasse no river, você pagaria? Se a resposta é não, então você ganhou uma aposta. Se a resposta é sim, você ficou empatado.

Em no-limit hold’em, a natureza da “all-in-tude” estreita o foco recíproco de uma maneira específica e recorrente. Digamos que tanto Joe e Moe acertam o flop. Em algum ponto na mão, eles vão all-in. Na verdade, Joe quebrou Moe. Em reciprocidade, a questão principal é, Moe teria quebrado Joe? Se a resposta for sim, a mão empatou. Se a resposta for não, então Joe ganhou a mão por qualquer dinheiro que ele teria na sua frente no fim da mão naquela realidade imaginada.

E isso basicamente é a Reciprocidade de Aposta. Isso é, se você gosta tudo limpo e arrumado. Ou, você pode me seguir agora, até a parte magnificamente bagunçada do poker.

Até agora, todas as reciprocidades foram preto e branco. Por exemplo, quando a reciprocidade de tilt causa o fluxo de dinheiro, nós sabemos com certeza para que lado está fluindo. O mesmo acontece com a reciprocidade de bankroll, de sair do jogo e todas as outras. Mas há uma exceção, e é uma exceção grande. É aqui que o preto se mistura com o branco e nos deixa no cinza. É aqui que a incerteza é certa. E ainda bem por isso! É isso que faz o poker ser poker.

O branco e o preto representam decisões de apostas que são definitivamente certas ou definitivamente erradas, e as várias sombras de cinza representam todas as outras.

Pense na primeira mão de poker que você jogou na sua vida. Sua área cinza estava quase em todos os lugares, e seu A-game fedia. Com cada mão, com cada rodada de apostas, com cada discussão de sexta street, você ganhou experiência e entendimento significativos. Seu A-game melhorou na mesma velocidade com que sua área cinza – sua incerteza – diminuiu.

Conforme o tempo passa, sua taxa de mudança diminui. Seu A-game melhora mais lentamente, e sua área cinza agora diminui mais devagar. A principal coisa para perceber é que não importa quão bom você fique, você sempre terá uma área cinza. O cinza não faz parte de você, faz parte do jogo.

Aqui estão dois exemplos de decisão branca e preta. 1)Jogando limit-hold’em, em uma mesa cheia, você está UTG com 72o. Você deve aumentar, pagar ou desistir? 2) Jogando qualquer modalidade de poker, você está heads-up no river e tem a melhor mão. Seu oponente dá check. Você deve dar check ou apostar?

Conforme nos movemos para o cinza, as expectativas teóricas das nossas opções se tornam mais equilibradas. Uma decisão pode ser favorita em 60-40, por exemplo. Movendo para a região cinza central, nós chegamos em certas decisões que o resultado esperado se torna 50-50 ou próximo disso. Estas são as decisões de pouca nenhuma conseqüência teórica, as decisões em que cada opção é tão boa quanto a outra. Estas são as decisões que importam menos.

Também no cinza central – a terra das decisões difíceis – nós podemos esperar um desacordo sobre que decisões são melhores. Nós podemos esperar debates inteligentes e elaborados com ambos os lados insistindo que são melhores. Nós também podemos esperar debates internos e segundos pensamentos. O cinza central é onde é mais provável nos torturarmos com a pergunta: eu fiz certo dessa vez?

E é por isso que eu digo: as decisões que mais nos perturbam são as que menos importam.

Digamos que você encara uma decisão cinza, e depois quer uma resposta definitiva. Você quer saber, de um jeito ou de outro, se sua jogada foi certa ou errada.

PARE!

Isso é um erro. Só em pensar nisso, em certo e errado, você está cometendo um erro. Se você jogar uma mão e enfrentar uma decisão cinza e escrever sobre ela ou falar sobre ela, eu acho que isso é ótimo – sério. Ou se você falar sobre mãos que outras pessoas jogaram, mesma coisa. Tudo bom. Mas tome cuidado. Não caia na armadilha da área cinza. Não queime energia considerável nem gaste sanidade preciosa. Não ache que só porque você tem uma resposta, e só porque alguém tem uma resposta diferente, que uma está certa e a outra está errada.

Digamos que eu estou no button e todos desistem da mão. Dependendo das minhas cartas, e dos meus oponentes, e de outros parâmetros, pode ser óbvio para mim qual é a melhor escolha, ou pode não ser nada óbvio. Devo assumir que há uma resposta certa? E mesmo que haja uma resposta certa, devo assumir que eu sempre posso saber qual é ela? Eu creio que as respostas para ambas as perguntas são não e não.

Outro exemplo. Está no turn, em limit hold’em. Há três jogadores no pote. Eu sou o segundo a agir. O primeiro cara aposta. Devo aumentar, pagar ou desistir? Ok, vou dizer mais. Eu tenho top pair. O cara que apostou pode ter um draw, ou ele pode ter um monstro. Não sei dizer. O cara depois de mim pode estar bem fraco, talvez num draw menor contra minha mão. Mas ele está agindo tão que talvez ele esteja forte e vá aumentar. Ou talvez ele esteja num draw e eu precise aumentar para tirá-lo da mão ou fazê-lo pagar o preço máximo. Mas o cara que apostou pode estar me vencendo. Ele pode me ter drawing dead . Se eu aumentar, eu abro para ele re-aumentar. Hmmm. Essa é difícil. Devo aumentar? Devo pagar? Devo desistir?

Eu acredito ser correto acreditar no incompreensível. Analise, avalie, pondere, e então deixe de lado. Resista às armadilhas da área cinza. Quando você examina uma decisão de aposta, sua ou de alguém, na mesa ou fora dela, sozinho ou com outros, lembre sempre que o debate leva a decisões cinzas, e que decisões cinzas importam menos, e que às vezes a resposta é irreconhecível. Não habite nas decisões cinzas, e assim, quando jogar contra habitantes, você terá ganho recíproco ao conservar energia e preservar sanidade.

O que é tirar o máximo do poker? Três coisas. Você tem um A-game que é bom o suficiente para vencer alguém. Você tem que jogar contra estas pessoas. E você tem que jogar seu A-game em cada mão. Para jogar seu A-game em cada mão, você deve prestar atenção em cada mão. Você deve estar presente. Se você está pensando sobre o passado, por definição, você não está presente. Se você quer estar no agora, perceba profundamente que ei, eu posso nunca saber se joguei aquela mão errado, então eu devo apenas jogar esta mão!

Fique bom, e continue bom enquanto você joga. Isso é tudo que eu sempre digo, para mim ou para qualquer um procurando o segredo do poker, que, na verdade, não é exatamente um segredo. Então onde se encaixa a reciprocidade?

Eu não vejo a reciprocidade como uma teoria de como vencer no poker. Eu a vejo como uma maneira de vê-la. Reciprocidade é uma lente. Quando focada em um par de escolhas, o resultado da reciprocidade revela diferenças pequenas e grandes; as mostra como são. Quando eu olho através da lente, eu vejo cada avanço e retrocesso, meu e dos meus oponentes, em apostas e em tudo o mais, como sendo imediatamente recompensado ou castigado na moeda do ouro recíproco. O lucro está sempre fluindo, e isso me motiva.

Mas como eu disse, é assim que eu vejo. Agora a lente é sua. Aponte para onde quiser, foque como desejar, e faça suas próprias descobertas.

 

Quer mais Tommy? Seu livro, Elements of Poker, contém os melhores conselhos em seu estilo distinto. Compre no Amazon.com ou diretamente em seu website com dedicatórias personalizadas em TommyAngelo.com. Você também pode ler todos os artigos antigos de Tommy em seu blog.


Veja mais:

Salas de Poker