Desenvolvendo Habilidades – Parte 2

Por: 01/07/2013

Olá, neste artigo vamos dar continuidade sobre as habilidades que devemos trabalhar para ter sucesso no poker. Se você perdeu a primeira parte, não deixe de ler.

Emoções

Nós, os latinos, temos uma veia emocional muito mais forte que povos de outros países que poderíamos chamar de “mais racionais”, ou vulgarmente de um povo frio. E isso não é algo ruim, é o que nos caracteriza como um povo acolhedor, considerado um dos mais felizes do mundo.

Entretanto, vamos ver porque devemos evitar que nossas emoções influenciem nossas decisões no poker: superestima, ego, raiva, level, etc. não devem ser motivos para realizar sua jogada.

Você pode até se considerar um jogador mais de “feeling” do que matemático, mas mesmo assim envolver emoções só atrapalhará sua leitura do jogo, pois elas afetam o funcionamento do lógico do seu cérebro.

Sua melhor performance, seu A-game, ocorre quando suas emoções estão equilibradas.

Ou seja, se ela está alterada, por exemplo com uma alta estima, você pode tender a fazer jogadas mais arriscadas pelo excesso de confiança, que na realidade não são lucrativas, e jogar com baixa estima poderá fazer você deixar passar algumas jogadas lucrativas pois tem o sentimento que sempre irá perder pois isso foi o que ocorreu nas últimas vezes.

Quando suas emoções estão fora de controle, seu cérebro não opera na sua melhor capacidade. Porém, é claro que não temos como excluir totalmente as emoções durante o jogo, não somos robôs, o poker é um jogo de pessoas. Mas devemos trabalhar para reduzir o efeito que as emoções causariam durante o jogo.

Vocês se lembram dos 3 processos do artigo anterior, Rastrear, Enfrentar e Resolver. Todos as falhas mentais do jogo (como o tilt) podem ser trabalhadas com isso. Agora vamos ver diferentes tipos de falhas emocionais, e algumas das mais faladas entre os jogadores são: jogar no piloto-automático, jogar com raiva, e o sentimento de injustiça.

Piloto automático: Se não estamos focados (A-game) por qualquer que seja a causa, algumas vezes poderíamos dizer que estamos no piloto automático ou clicando botões.

Principalmente para jogadores de torneios, quando não estão em alguma reta interessante ou em uma mesa final, sem aquela adrenalina, podem passar longos períodos do jogo operando no automático. E descobrir o porquê de estar jogando assim é o primeiro passo.

O prêmio do torneio não é interessante? Você está cansado? Está jogando e olhando redes sociais? Caiu na bolha do melhor MTT da grade e está só cumprindo tabela com o resto?

Quando tomamos uma decisão do tipo: eu acho que aqui é call então paguei; Ou acho que é fold então vou largar, não se preocupando com o motivo, pensando superficialmente, fazendo jogadas mecânicas, você não está extraindo o melhor de seu jogo, e isso é uma falha.

Raiva: A grande maioria, se não todos os jogadores de poker, alguma vez já tiveram a experiência de jogar com raiva. E seu cérebro está afetado por essa emoção, fazendo com que ele não funcione no seu melhor, e assim atrapalhando seu raciocínio e a qualidade do seu jogo, o que pode lhe custar muito dinheiro.

É nessas horas que temos que nos reposicionar mentalmente. Você tem que ser honesto consigo mesmo, ter comprometimento e autocontrole para identificar que está tomando decisões influenciado pelas emoções.

Você pode seguir um dos sistemas que usamos para controlar o tilt, pois a raiva é causadora dele. O passos já foram falados: respirar fundo, reconhecer, focar, pensar na lógica e esquecer a emoção, lembrar a estratégia, repetir tudo de novo, e por fim esquecer a mão.

Se você fica com raiva quando toma uma bad beat, eu lhe digo que o único estúpido da história é você, pois não vai ser a primeira nem a última, isso é poker, acostume-se ou caia fora.

Injustiça: Você está runnando abaixo do EV, trabalhando pesado e nada de resultados rápidos, perde todos os flips grandes, sempre acha coolers nas retas, é o maior dos azarados, etc.

Sim, o poker não é justo. Não é a sua vez de ganhar, não é o seu dia, não é o seu MTT. Quase tudo na vida é assim, não é porque perdeu 2x seguidas com AA que na terceira você vai ganhar. Não é porque caiu na bolha do Sunday Million por 3 domingos que no quarto você vai chegar na FT. Esqueça esse sentimento de que a justiça será feita.

Qual é a % de pessoas que dizem estar runnando pior do que a média? Você está? Conhece alguém? E quem realmente tem capacidade de enxergar que está em uma grande maré de sorte? A grande maioria sempre responde a primeira pergunta, certo.

Isso já é bem difundido e sabemos que faz parte da memória seletiva, o jogador sempre se lembra daquela bad beat que o eliminou, mas rapidamente esquece as que deu.

As pessoas se sentem no direito de serem reparadas por algo injusto, é humano. O jogo não quer saber disso. Não tem nenhuma força soberana da natureza que fará você  ganhar o flip importante pois é a sua vez.

Portanto tenha autoconsciência que o poker não lhe deve nada, mantenha seu foco no processo, só assim irá elevar seu jogo a outro patamar.

Na terceira parte deste artigo irei falar um pouco sobre variância e confiança. Até lá.

Você pode acompanhar minha rotina no twitter: @vinnycout e em meu blog: www.vinnycout.com

VinnyCout. Jogador profissional de poker online. Grinder de SnG e MTT.


Veja mais:

Salas de Poker