O Middle Game – Uma Amostra do Livro de Sit and Go de Roberto Riccio

Por: 24/05/2011

O middle game é a fase do sit and go intermediária, onde o early game já acabou, mas o jogo ainda não é necessariamente só push/fold. Para simples referência, tendo como base o sit and go turbo do PokerStars (stack inicial de 1500 fichas), os blinds 50/100, 75/150 e 100/200 são considerados middle game.

Ou seja, caso você não tenha dobrado no early game (cenário mais comum) nesta fase de jogo em geral você terá entre 10 e 15 big blinds – com tendência a chegar a um stack de 5 a 10 big blinds se não conseguir achar uma boa oportunidade para roubar fichas ou dobrar.

O middle game costuma ser a fase de jogo mais complicada de jogar para jogadores de sit and go. Por ser intermediária, é uma fase que esconde muitas armadilhas. Alguns jogadores erram achando que ainda podem jogar da mesma forma que no early game, enquanto outros se antecipam demais e passam a tentar roubos de blinds desesperados em situações onde tal jogada não é lucrativa.

O truque para jogar corretamente o middle game é planejar cuidadosamente qualquer mão que você vá jogar pós-flop (evitando se iludir, e assim não entrando em situações onde depois você estará commited e não poderá mais desistir da mão), e ao mesmo tempo aproveitar as poucas oportunidades de roubo de blinds lucrativas que surgirão.

Ajustes imediatos a serem feitos no middle game.

Vimos no último capítulo quais mãos devemos jogar no early game e como. Ao chegar no middle game, os blinds serão maiores e por isso teremos que reavaliar o range de mãos para jogar.

Além disso, outro fenômeno passa a ocorrer no middle game.

Diferentemente do early game, aqui você jogará muitas mãos devido à situação em que se encontra e não devido ao valor da mão em si.

Um A4 – que praticamente nunca jogaremos no early game – pode ser uma mão de steal no BTN, enquanto que um 55 – com o qual geralmente é interessante entrar de limp por set value – pode ser uma mão de open fold. Esta tendência irá começar no middle game e se refletir cada vez mais com o passar do sit and go, sendo onipresente no late game.

Com o aumento dos blinds, deixaremos de fazer duas jogadas que dependiam dos blinds baixos: entrar de limp com pares (a menos que apareça uma situação extrema onde, por exemplo, tanto você quanto o jogador do qual você pretende extrair tenham um stack acima da média) e entrar de limp com mãos fracas do SB.

Como no middle game o valor deste limp passa a ser substancial pro seu stack, deixa de valer à pena. Vimos anteriormente que em um sit and go não somos pagos de forma justa pelos riscos que corremos, e com blinds cada vez maiores o risco de um limp pré-flop aumenta, já que o valor deste investimento será bem maior que no early game.

Outro ajuste que deve ser feito é o tamanho de seus raises pré-flop, que podem ser consideravelmente menores, já que ainda assim representarão um percentual consideravelmente maior do seu stack e do de seus adversários. O raise padrão nesta fase de jogo costuma ser entre 3.5 a um pouco menos de 2.5 big blinds, diminuindo o número conforme aumentam os blinds.

Tipos de mãos de middle game

Levando esse conceito à diante chegamos aos tipos de mãos que jogaremos no middle game:

1.  Mãos para jogo pós-flop

2.  Mãos para all-in pré-flop

3.  Mãos para raise/fold pré-flop

Mãos para o jogo pós-flop são mãos fortes, onde entraremos de raise pré-flop, com a possibilidade de extrair pós-flop. São mãos que aguentam pressão e que não precisam ser “resolvidas” pré-flop.

Exemplo clássico: AA.

Mãos para all-in pré-flop são mãos onde um all-in pré-flop, seja por steal ou por valor, pode ser +EV, enquanto que um simples raise é -EV.

São mãos que tem valor pré-flop e que em geral possuem grande valor na tabela K+S (conceito que veremos mais pra frente), mas que se chegarem a ver o flop perdem muito de seu valor.

Exemplo clássico: A2.

Mãos para raise/fold pré-flop são mãos em que vale a pena dar um raise pré-flop para roubar os blinds aparentando uma mão forte, mas que na realidade não aguentam nenhuma pressão e queiremos foldar se outro adversário der re-raise. Pode ser qualquer tipo de mão, pois o que importa aqui é a situação e não as cartas. É importante notar que essa jogada será bem mais rara que as outras duas mencionadas anteriormente.

Exemplo clássico: 72.

Outro fator que é necessário ressaltar é que as mãos de exemplo (AA, A2 e 72) são casos extremos. Casos intermediários podem ora se encontrar em um tipo de mão, ora em outro. Um QQ, por exemplo, em certas situações é uma mão em que podemos jogar pós-flop e em outras é uma mão onde será mais lucrativo o all-in pré-flop. Já com um 72, muitas vezes pode ser mais lucrativo dar all-in pré-flop do que raise/fold (ou open fold, a jogada mais “normal”). Como expliquei no início do capítulo: a partir do middle game você terá que se importar com a situação de jogo muito mais que com a sua mão especificamente.

Vamos ver como isto funciona na prática.

Mãos para o jogo pós-flop

  • PokerStars – $15+$1|75/150 NL (9 max) – Holdem – 8 players
  • UTG: $1,115
  • UTG+1: $1,315
  • MP: $3,560
  • MP+1: $885
  • CO: $1,540
  • Hero (BTN): $1,960
  • SB: $1,670
  • BB: $1,455
  • SB posts SB $75, BB posts BB $150
  • Pre Flop: (pot: $225) Hero has A A
  • fold, fold, MP calls $150, fold, fold

Um raise para 3 big blinds, seguindo neste caso 2 blinds + 1 por limper, comprometem já 1/4 do nosso stack e são o suficiente pra deixar nosso  adversário commited no flop pois o pote irá conter mais de 1000 fichas e ele terá dificuldade em largar qualquer mão razoável (ou até mesmo em não blefar).

  • Hero raises to $450, fold, fold, MP calls $300
  • Flop: ($1125, 2 players) 6 8 9
  • MP checks

O flop é ok. Vamos continuar a extrair, apostando um valor contra o qual o MP terá dificuldade em foldar.

  • Hero bets $520, MP calls $520
  • Turn: ($2165, 2 players) J
  • MP checks

A situação aqui é basicamente a que planejamos. Favoritos em um pote grande com o adversário commited. Chegando neste ponto, colocar as demais fichas no pote costuma ser uma formalidade.

  • Hero bets $950, MP raises to $1,950, Hero calls $40 and is all-in
  • River: ($4145, 2 players) 4
  • MP shows Q T (Straight, Queen High)
  • Hero shows A A (One Pair, Aces) MP wins $4,145

Infelizmente nosso adversário tinha uma das poucas que nos ganhava, tendo acertado seu draw no turn. Apesar de certos straight draws estarem presentes no range do MP, são uma pequena parte deste range e portanto não há motivos para não “ir pro chão” com AA nesta situação.

Uma pequena observação… A esta altura você já deve ter entendido que o importante são as jogadas que fazemos e não o resultado final. Você é pago para tomar boas decisões – é isto que trará retorno no longo prazo.

E é por isto que incluo neste livro exemplos de mãos onde jogamos bem e perdemos. Isso é o que ocorre na realidade, e a única solução que conheço para o problema é continuar jogando da melhor forma que você puder, sem se abater.

O exemplo a seguir ilustra outra situação comum com este tipo de mão. Isto é, a maioria das mãos que tentaremos levar para o jogo pós-flop se resolverá de qualquer forma pré-flop.

  • PokerStars – $15+$1|75/150 NL (9 max) – Holdem – 9 players
  • UTG: $2,170
  • UTG+1: $1,665
  • MP: $1,225
  • MP+1: $1,250
  • LP: $1,420
  • CO: $1,305
  • Hero (BTN): $980
  • SB: $2,445
  • BB: $1,040
  • SB posts SB $75, BB posts BB $150
  • Pre Flop: (pot: $225) Hero has A A
  • UTG calls $150, fold, fold, fold, fold, fold

Aqui devemos dar um raise de um valor que o UTG ou outros jogadores possam pagar, pois temos somente 1000 fichas de stack (~6.5 blinds) e caso este raise inicial seja pago será relativamente tranquilo extrair o que  nos sobrar em fichas no flop e/ou no turn. A situação é recorrente com mãos boas neste estágio, pois tendo um stack de menos de 10 blinds qualquer raise que dermos pré-flop já será uns 40% do nosso stack – no entanto o pote será grande o suficiente (em fichas) para que o adversário comum em sit and go’s não consiga dar fold em um bet de 2-3 big blinds no flop.

  • Hero raises to $400, fold, BB raises to $1,040 and is all-in, fold,
  • Hero calls $580 and is all-in
  • Flop: ($2185, 2 players) T 2 8
  • Turn: ($2185, 2 players) 3
  • River: ($2185, 2 players) 6
  • BB shows 5 5 (One Pair, Fives)
  • Hero shows A A (One Pair, Aces)
  • Hero wins $2,185

Nesta mão é importante notar que o nosso plano de jogo foi de levar a mão para o jogo pós-flop, mas o fato de que isto não tenha ocorrido é melhor ainda para nós. A chave é entender que, com este tipo de mão podemos correr riscos maiores e estamos dispostos a não apostar tudo pré-flop, dando mais chances aos nossos adversários de acertar pares ou draws e em troca fazer com que eles se envolvam no pote um maior número de vezes (maximizando assim nosso retorno, já que a nossa mão é fortemente favorita).

Ou seja, apesar do que planejamos, é ótimo que o BB tenha voltado all-in. Quanto antes resolvermos a mão melhor, e é justamente para dar a uma oportunidade aos nossos adversários de errar que damos raise para 3 blinds ao invés de all-in.

Mãos para raise/fold pré-flop

Mãos para raise pré-flop são extremamente raras. Basicamente estas são mãos onde conta puramente a situação de jogo.

Para entender porque tal jogada pode ser lucrativa, pense no que acontece com o clássico jogador competitivo de sit and go. Este jogador só dá raise no early e middle game com AA, KK, QQ, JJ, AK e AQ no máximo. Com todas as demais mãos no middle game ele dá all-in ou fold. Portanto, em geral seus adversários podem passar a respeitar demais seus raises.

Pode ser que isto já tenha acontecido contigo. Você seguiu a estratégia de jogo “básica”, tendo jogado somente uma mão até momento. Os blinds estão em 100/200 e com 1300 fichas você abre um AA. Você dá raise no CO e todo mundo folda.

Visando explorar este tipo de situação, ocasionalmente vamos dar um raise ou outro simulando um monstro com uma mão sem valor algum.

Disse que isso é raro de ocorrer porque diversos fatores devem estar presentes:

  Sua imagem deve ser de um nit (jogador extremamente tight)

  Seus adversários na mão não podem ser jogadores muito fracos (que não seguem o jogo)

  Os stacks dos seus adversários devem ser medianos (jogadores com muitas ou poucas fichas estão mais propensos a especular pré-flop)

  Você deve estar no BTN ou em uma posição bem próxima

  O raise/fold deve ser uma jogada com expectativa melhor que o all-in

Como é raro todos estes fatores estarem presentes, é igualmente raro que surja tal oportunidade de roubo. No entanto, caso ela apareça, aproveitá-la significa ganhar os blinds arriscando pouco e – melhor que isso – aumentar substancialmente o range de seus adversários em uma próxima mão onde você dê open-raise (o que você fará somente com uma mão forte), pois você estará relativamente ativo na mesa.

No caso de um vilão pagar, um continuation bet, dependendo do flop, também pode ser lucrativo. Siga as diretrizes de continuation bet como se você tivesse uma mão forte (AK, QQ, etc).

A mão a seguir possuía todos estes pré-requisitos. Portanto, um raise baixo (com eventual fold para um re-raise) foi uma boa jogada.

  • PokerStars – $15+$1|100/200 NL (9 max) – Holdem – 7 players
  • UTG: $1,415
  • UTG+1: $1,475
  • MP: $1,615
  • CO: $1,445
  • Hero (BTN): $3,280
  • SB: $1,435
  • BB: $2,835
  • SB posts SB $100, BB posts BB $200
  • Pre Flop: (pot: $300) Hero has J 6
  • fold, fold, fold, fold, Hero raises to $450, fold, fold
  • Hero wins $500

Esta é uma boa jogada para equilibrar seu range, mas não exagere. É apenas mais uma jogada a ser adicionada ao seu arsenal e utilizada quando for lucrativo.

Mãos para all-in pré-flop

Este tipo de mão marca a transição para a mentalidade de push/fold.

O domínio sobre este tipo de situação – mais precisamente o saber se é correto dar all-in ou fold (ou call ou fold) – é a chave para o sucesso em torneios de sit and go.

O problema é que, diferente de mãos jogadas pós-flop, é mais complicado fazer uma análise de push/fold devido à matemática que envolve tal decisão.

Como você vai saber se o seu K3o no button deve ser push ou fold? Isto depende de diversos fatores e envolve a tomada de decisão da sua parte a respeito da probabilidade de tais eventos ocorrerem.

Antes de analisar uma decisão na prática, vamos ver de um modo geral os fatores que você deve procurar ao decidir se certa jogada é push ou fold (mais pra frente analisaremos call/fold). […]

Esta é uma amostra gratuita do livro Sit & Win, de roberto Riccio. Para ler o restante deste capítulo e os demais, acesse www.maisev.com/snw e adquira a sua cópia do Sit & Win.

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker