Matemática e Erros ao Redor do Jogo

Por: 31/03/2009

Estou certo que isso pode não ser tão interessante para alguns, mas me interesso em conhecer a matemática ao redor do jogo.

Aqui está a situação que me deram: você tem 500 no seu stack, temos 200 no pote (estamos no flop), o vilão aposta 100 e você vai de all-in com mais 400. Você tem um overpair e ele tem um FD (N.T: flush draw) e é uma situação 2:1. Então ele pode fazer o call aqui pois não é uma decisão –EV.

Digamos que você possa ver que ele tem um FD e você também sabe que ele pode pagar um bet (com pot odds –EV) no turn mesmo se não bater, mas não um PSB+

Você obviamente não pagará se bater para ele, já que sabe o que ele tem.

Então minha questão é: é melhor ir de all-in no flop, ou esperar o turn? Qual o valor que ele tem que pagar no turn para que um push no flop e um call no flop e bet no turn tenha o mesmo EV? E finalmente, o que é mais importante: “o oponente fazer uma jogada –EV” versus “ganhar uma grande quantia como favorito”?

Questão interessante, e eu acho que ambas afirmações são muito relacionadas. Um erro meu geralmente resultará em uma situação –EV. Geralmente quando você leva o dinheiro você forçou um erro, mas é um erro no sentido FTOP. Oponentes irão (devem) fazer calls contra seu range, então estarão corretos mesmo que você esteja à frente em uma situação particular.

O que eu penso sobre isso: Pense na fraqueza de seus oponentes e tente induzi-los a cometer a maior quantidade de erros possível. É mais fácil classificar os erros em vez de passar por cálculos de EV toda vez (claro que é por fazer esses cálculos que ganhamos um senso intuitivo de quando uma jogada é EV+)

Exemplos de classes de erros:

Erros pequenos:

-Fazer loose calls pré-flops em posição com mãos especulativas e jogar decent/tight pós-flop
-Fazer folds tights com um par contra oponentes razoáveis.
-Na maioria das vezes quando você folda o river (raramente é um grande erro foldar o river
em NL contra uma agressão pesada, particularmente de grandes apostas quando você tem menos
que uma grande mão contra o range de seu oponente)
-Pagar flops sem odds (com implied odds marginais) com mãos com draw. Logicamente é um erro
menor quando você tem posição.
-Atacar muitos potes sem raise ou com pequenos raises.

Erros medianos:

-Pagar muito pré-flop fora de posição e jogar “bate ou larga” no flop.
-Pagar raises pré-flop com muitas mãos especulativas ou dominadas.
-Dar muita ação a jogadores tight com um par.
-Blefar (antes do river) muito contra jogadores loose. Note que blefar no river contra esses
jogadores não é ruim já que eles freqüentemente estão em draws perdidos ou pares
extremamentes fracos que não podem dar call em bets grandes.

Erros grandes:

-Arriscar grande % do seu stack no pré-flop com mãos dominadas (AJ, 99, etc). Claro que a
dominação é relativa ao range estimado do seu oponente.
-Fazer grandes blefes contra sinais de força.
-Geralmente, a qualquer momento que você pagar grandes apostas com mãos marginais é provável
que seja um grande erro.

Perceba que em NL, muitas vezes é um erro maior fazer um call que um fold ou blefe. Um blefe é normalmente melhor se você tiver outs (semiblefe).

Em relação à questão acima, ela parecer ser um problema matemático básico. Basta descobrir os dois EVs e decidir. Mas nós temos apenas 15 segundos para fazer a decisão, então eu acho que é bom pensar sobre estabelecer modelos que podem representar um amplo leque de situações.

Você não precisar pensar sobre o que significa dizer (2+2=4) ou que o derivativo de x é 1. Isso porque abstraímos essas idéias e por isso podemos trabalhá-las no cérebro e falar facilmente sobre elas.

* Para os termos em inglês deste artigo, confira o Dicionário de Termos e Gírias do Poker feito pelos usuários do Fórum MaisEV.

Se você tiver dúvidas sobre os termos utilizados neste artigo, veja nosso dicionário de termos de poker.

Este artigo foi originalmente postado no site estadunidense Two Plus Two e traduzido e disponibilizado pelo site Teorias do Poker.

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais: