Diferenças Entre No-Limit Hold’em e Pot-Limit Omaha

Por: 08/09/2012

  1. A posição é muito mais importante
  2. A equidade de fold pré-flop e em flops com draws é consideravelmente menor
  3. Ir all-in pré-flop é menos importante e pode ser perigoso, então é ok adotar um estilo semi-loose passivo pré-flop.
  4. Em flops com muitos draws é difícil e perigoso ir all-in com pouca equidade, mesmo com o nuts.
  5. A jogada “teoricamente correta” em PLO depende muito mais do tamanho dos stacks.
  6. Em média, uma mão de PLO tem muito mais decisões “close” do que uma mão de NLH.
  7. A variância é muito maior.
  8. PLO heads-up com deep stacks é o jogo mais “louco” do mundo.

1. A posição é muito mais importante

Antes de mais nada, PLO é um jogo com limite de pote, e nesses jogos a posição é mais importante do que em jogos sem limite. Por exemplo, em Pot-Limit Hold’em a posição é mais importante que em No-Limit Hold’em: é mais fácil pagar uma 3bet do tamanho do pote nos blinds ao invés de uma reraise overbet; os blinds não podem fazer checkraise com bons draws ou overbet com nuts “slowplayados”, se o agressor pré-flop der check behind no flop ou turn é impossível para quem está fora de posição colocar mais dinheiro do que quatro vezes o pote pré-flop.

Mas a posição em PLO é ainda mais importante do que em PLH; as forças dos ranges pré-flop são mais próximas em PLO, então até mesmo 3bet com um range forte não vai gerar muita equidade de fold quando fizer a c-bet no flop fora de posição (em geral ser o agressor é menos importante em PLO). Além disso, em flops com dra2ws muitas cartas no turn mudam bastante a situação, e um jogador em posição vai jogar muito melhor tais cartas já que ele verá com o jogador fora de posição reage à mudança.

2. A equidade de fold pré-flop e em flops com draws é consideravelmente menor

Isso é algo óbvio, mas é importante lembrar-se disso quando pensar sobre dar 3bet fora dos blinds ou c-bet em flops com muitos draws.

3. Ir all-in pré-flop é menos importante e pode ser perigoso, então é ok adotar um estilo semi-loose passivo pré-flop.

Ases não são muito favoritos contra um range decente, então sua jogabilidade é muito ruim, especialmente se estiver se o jogador fora de posição “te colocar em ases”. Além disso, já que PLO é “um jogo mais de pós-flop”, você verá jogadores muito bons jogando com estatísticas como 40/20 ou até mais alto e vencendo nos jogos difíceis 6-max. Isso seria claramente impossível em hold’em, onde vencer mesas decentes de NL 2/4 6-max com um VPIP maior que 40% é extremamente difícil.

4. Em flops com muitos draws é difícil e perigoso ir all-in com pouca equidade, mesmo com o nuts.

Há muitos boards onde até mesmo o nuts no flop pode ser derrotado por metade das cartas possíveis no turn (exemplo Q J 3, Q J 8). Se há dinheiro para trás pode ser lucrativo controlar o pote com o nuts puro em uma situação dessas, enquanto se é agressivo com o nuts+redraw ou combo draws (esse é um conceito muito difícil de aplicar nas mesas). A razão para isso é que jogar muito agressivamente vai selecionar para o violão um range que é mais ou menos flip com o nuts puro, mas o vilão será capaz de jogar streets futuras melhor que você. Conceitos similares podem se aplicar a algumas situações com muitos draws no turn. Também, quando estiver multiway e enfrentando muita ação, pode ser correto foldar o nut straight sem redraws no flop, temendo um freeroll.

5. A jogada “teoricamente correta” em PLO depende muito mais do tamanho dos stacks.

Digamos que em hold’em você está no BB com AJ e enfrenta um steal do button. Você provavelmente estará feliz em fazer um 3-bet/call pré-flop se os tamanhos dos stacks forem entre 25 e 40bb, mas não com stacks de 70bb ou mais. Isso acontece o tempo todo em PLO, e é muito importante. Por exemplo, no pré-flop ficaremos felizes em dar 3bet em ases ruins com stacks de 30bb, mas não com 60bb. Com 2 pares no flop J63r ou um flush J-high no flop Q54 de copas, ficaremos felizes em apostar stacks com SPR =3, mas será difícil jogar com SPR = 6.

6. Em média, uma mão de PLO tem muito mais decisões “close” do que uma mão de NLH.

Em PLO você verá mais flops e turns do que em hold’em, ou seja, terá que tomar mais decisões no pós-flop. Além disso, a jogada pré-flop é menos “automática”, já que quando você decidir por um 3bet/call, por exemplo, precisará estar sempre atento ao tamanho dos stacks envolvidos. Normalmente, em hold’em também há a “maneira teoricamente correta” de jogar uma mão, muitas vezes sua mão se encaixa em uma de três categorias (blefe, mão forte, draw), e em PLO não podemos simplesmente colocar sua mão em uma categoria, temos uma mão combo, trazendo muitas situações “mais únicas”. Como consequência, deve ficar claro que jogar múltiplas mesas em PLO é muito mais difícil, e muitos grinders de 6-max normalmente jogam apenas 4 mesas.

7. A variância é muito maior.

Tendo dito que ninguém folda para 3bet em PLO, deve estar claro que haverá muitos potes com 3bet, onde as pessoas perderão stacks muito rápido com 2 pares, par+gutter, overpair+algo, levando a uma alta variância. Além disso, em flops com muitos draws em que houve um raise é bem provável que alguém tenha uma mão forte e que outro tenha um draw forte, levando a muitos coinflips.

8. PLO heads-up com deep stacks é o jogo mais “louco” do mundo.

Experimente e você vai concordar =)

 

Historiador por formação, conheceu o MaisEV em sua primeira semana de vida, ainda em 2007. Em pouco tempo, tornou-se editor-chefe do site para fazer o que faz de melhor: escrever.

Veja mais:

Salas de Poker