Desenvolvendo Habilidades – Parte 4: Motivação

Por: 04/11/2013

E aí pessoal, vamos para a penúltima parte do artigo sobre as habilidades que temos que trabalhar para ser bem sucedido no poker, e hoje falaremos sobre a motivação.

Se você ainda não leu as três primeiras partes, confira abaixo:

Desenvolvendo Habilidades – Parte 1: Controle do Tilt

Desenvolvendo Habilidades – Parte 2: Emoções

Desenvolvendo Habilidades – Parte 3: Variância e Confiança

 

Motivação

Tudo que fazemos teoricamente é por um motivo, é motivado por algo. O que te motiva a jogar poker? Consegue responder a essa simples pergunta?

Ex: É pela adrenalina; é pela diversão; é a competição; são as nuances entre a simplicidade e complexidade do jogo, é a vontade de ser o melhor, etc…

De acordo com o teorema fundamental de David Sklansky, nós devemos jogar poker por uma única e bem definida causa: ganhar dinheiro.

Assim se por algum motivo você não quer ganhar dinheiro de alguém, é melhor nem jogar na mesa dessa pessoa.

É lógico que tem algumas situações como nos high stakes onde alguns estão jogando para ser nomeados como o melhor independente das cifras. Todos já são muito ricos, e estão lá para competir e alimentar seu ego. Mas este não é o caso da grande maioria, então vamos nos ater a realidade.

A motivação, assim como os outros fatores, pode ter altos e baixos. E devemos trabalhar para melhorar constantemente nosso nível motivacional.

Motivação x Inspiração

Muita gente confunde isso, e se compararmos como uma competição de atletismo, os corredores rasos são inspirados e os maratonistas são motivados.

Isso porque a inspiração é algo de curta duração, um momento, um ápice, algo rápido. Já a motivação é longa, constante, exige uma dedicação de tempo, horas, dias, semanas, meses.

A motivação tem que ser duradoura e não deve oscilar. Porém como tudo que exige longo prazo pode cansar, e é bem esse o caso do poker, é comum ficarmos desmotivados.

Melhorando a motivação

Para atingirmos uma real motivação de longo prazo, devemos definitivamente procurar formas de exigir mais de nós mesmo, então começo perguntando algumas questões:

– O que você quer? Seja bem específico!
– Por que você quer isso?
– O que está disposto a sacrificar para alcançar o que você quer?
– Você está realmente disposto a se comprometer para alcançar isso?
– Então, como você irá chegar lá?

O modelo de processo

Vamos desenvolver um processo mental para chegarmos onde queremos, como um atleta na busca de seu objetivo segue um ciclo:

1 Análise -> 2 Aquecimento -> 3 Desempenho -> 4 Resultado -> 5 Avaliação …. volta ao início.

Ex:  1 Onde estamos -> 2 Preparação para a busca do objetivo -> 3 Execução do que treinamos/estudamos ->  4 Onde chegamos hoje -> 5 Como e porquê conseguimos isso … e segue o ciclo novamente.

Onde normalmente os jogadores erram:

Pulam o aquecimento: Ou seja, nós analisamos a situação e sabemos o que queremos, mas não nos preparamos o suficiente para enfrentar as dificuldades;

Misturam análise com o desempenho: Ou seja, ficamos querendo pensar em toda e qualquer possibilidade do que poderia ter feito enquanto estamos no meio do jogo, não desligamos de um pote perdido, não focamos nas próximas ações e não reservamos o tempo futuro que deveria só para rever e estudar isso;

Avaliam-se pelos resultados e não pelo desempenho: É clássico, como já visto no artigo anterior.  Não temos que basear-nos se ganhamos ou não, temos que focar em se jogamos bem, independente do resultado final.

Identifique as fraquezas em seu processo, veja quais são as áreas e mire nelas para melhorar.

Como definir metas efetivas

Nossas metas devem ser inteligentes:

– Específicas. Ex: Vou jogar somente SNG 45m para construir minha banca.
– Mensuráveis. Ex: Vou jogar mínimo 2000 torneios no mês.
– Atingíveis. Ex: Vou buscar ser o TOP 5 nessa modalidade.
– Realistas. Ex: Vou tentar manter em torno de 10% de ROI.
– Tempo definido. Ex: Vou fazer isso durante 6 meses.

É bom sonhar grande, ter objetivos difíceis e se desafiar o tempo todo, entretanto precisamos de metas que possamos cumprir a fim de não nós decepcionarmos tão facilmente com possíveis falhas, e assim continuarmos na luta.

No próximo mês vou finalizar a série como o quinto e último artigo, nele falaremos sobre aperfeiçoamento.

 

Você pode acompanhar minha rotina no twitter: @vinnycout e em meu blog: www.vinnycout.com Também meu Facebook: www.facebook.com/vinnycoutpoker

VinnyCout. Jogador profissional de poker online. Grinder de SnG e MTT


Veja mais:

Salas de Poker