Conecte-se

Por: 30/09/2008

Poker é um jogo que coloca a lógica contra a emoção. Podemos pensar que o poker é uma batalha, um jogo de sagacidade na qual o jogador mais inteligente e habilidoso ganhará. Se fizermos as jogadas matematicamente corretas, ganharemos dinheiro. Cometendo menos erros, também ganhamos dinheiro. Mas nós nos iludimos. Poker é um jogo onde freqüentemente, fazer a jogada perfeita, pode te dar um resultado imediato negativo, onde um jogador que faz jogadas ruins consistentemente pode triunfar.

Se você fizer o arremesso perfeito numa quadra de basquete, você recebe 2 (ou 3!) pontos. Se você joga um jogo de bilhar sem erros, você irá ganhar a disputa. Se você é mais atlético ou mais apto do que seu oponente, você vai ganhar o jogo de tênis, vai ganhar a corrida, a competição de matemática, ou a de soletrar; qualquer que seja a disputa, você vai ganhar se for o melhor.

É concebível (embora muito improvável) que um jogador como Daniel Negreanu vá ser azarado o bastante para nunca mais ganhar outro pot em sua vida e quebrar. Ele pode fazer toda decisão corretamente, ler cada mão perfeitamente, forçar todos os seus oponentes a colocar seu dinheiro estando atrás e perder. Pelo resto de sua vida. Aqui é onde o Poker se difere tão fundamentalmente dos jogos acima, e difere do que esperamos das nossas vidas: como essa estranha força da “sorte” serve para quebrar nossos sonhos e reduzir nossa perfeição técnica a nada?

Há um tempo atrás, David Sklansky cunhou o termo “Sklansky Bucks” (Dólares Sklansky) para, de algum modo, atribuir valor ao dinheiro que você “deveria” ter ganho, se você não tivesse recebido um turn ou river desfavorável que tenha dado ao seu oponente uma mão melhor no final. Esses Sklansky Bucks servem tanto como uma análise matemática de como você jogou a mão, classificando como “correta” ou “incorreta”, assim como um “consolo” por ter perdido dinheiro. Um tipo de: “ok, ok desencana”. A maioria de nós estamos cientes dessa terminologia. Mas quantos de nós realmente, honestamente nos sentimos bem quando juntamos esses “bucks” como deveríamos?

[…] Eu tive uma noite absolutamente terrível no qual eu joguei um poker tecnicamente perfeito e perdi um monte de BBs. A quantia é irrelevante, e as mãos também são. Tudo que você precisa saber é que eu joguei perfeitamente, e perdi. E perdi novamente. E perdi de novo.

Quando eu finalmente desliguei o computador, eu percebi que eu tinha que encontrar minha namorada, e estava atrasado. Eu estava tão frustrado e irritado com o poker que eu senti que uma densa nuvem negra tinha descido sobre minha cabeça; e agora eu tinha que lidar com o fato que estava me sentindo um grande degenerado por desapontar minha namorada. Nem precisa dizer, que eu não era exatamente a foto de lindas rosas ou da perfeita companhia amorosa. Acabamos tendo uma discussão e eu chateei ela porque estava num humor terrível. Sentei no sofá, e de repente eu percebi: isso foi TUDO por causa do poker. Nada disso teria acontecido se eu nem tivesse começado a jogar naquela noite.

Por sorte, minha namorada é misericordiosa e compreensiva e tudo ficou bem. Mas ela disse algo que literalmente me lançou à minha próxima fase na minha carreira de jogador de poker.

“Baby, você precisa aprender a perder.”

A vida não é justa. Algumas pessoas nascem na miséria. Algumas pessoas são atingidas por asteróides, outras morrem antes de ver uma semana de vida. E algumas vezes seu par de Ases vão perder para um 72o em allin pré-flop. Isso é simplesmente a certeza matemática em um jogo grandemente governado pelas chances. E ainda assim, quantos de nós podemos realmente dizer que não sentimos nada quando isso acontece conosco? Quantos de nós nunca tiltamos? Quantos de nós poderíamos realmente jogar 4 horas direto, perder 3 buyins, e não ligar? Eu diria nenhum porque, claro, embora nós estejamos jogando otimamente, nós não estamos PENSANDO otimamente.

Acredito que o melhor conselho do mundo é o mesmo que nada se você não puder aprender a governar sua mente apropriadamente. Incontáveis posts nesse fórum lidam sobre como lidar com essa ou aquela jogada, mas o que adianta se vamos tiltar todo esse dinheiro amanhã? Estou certo que vc já leu a parte das reclamações (BBV) tanto quanto eu; todo santo dia há um post com alguém dizendo :”AH DEUS QUANDO ISSO VAI ACABAR PORQUE EU ESTOU NUMA BAD RUN TAAO RUIM AHHHHHHH” ou alguma reclamação assim. Esses jogadores, assim como 95% dos uNL estão, “desconectados”. Ainda operando naquele nível onde perder é ruim, e ganhar é bom.

Aqui é onde o título desse post entra no jogo. A maioria de nós joga poker enquanto estamos “desconectados”. Ainda estamos governados pelas nossas leis naturais; frustração, raiva, desespero, pensamento orientado pelos resultados. Eu chamaria isso de “tilt”, mas não é bem isso. Se você sente até mesmo o menor desapontamento em tomar um suck out, você está “desconectado”. Lembra-se de alguns parágrafos acima onde descrevi o poker como um jogo que coloca lógica contra emoção? Para a maioria de nós, a emoção ganha, toda vez. Isso porque é a natureza humana, somos seres emocionais. Sem isso, seriamos incapazes de funcionar na vida como um todo.

Então, o que eu e você precisamos é aprender a “conectar”. De algum jeito, nos plugarmos naquele lugar onde somente a lógica se aplica, e a emoção é irrelevante De alguma forma, devemos nos esforçar a sermos somente semi-humanos quando jogamos Poker. Eu ainda estou para ver um exemplo de onde emoção foi aplicada a um jogo de poker e teve um resultado positivo. Você pode dizer “bem, se você se sentir relaxado e confiante, você poderá estar inclinado a fazer apostas mais fortes onde antes você poderia ter recuado”. Mas de novo isso é incorreto; uma aposta não deveria ser feita com base em se você se sente capaz ou não de fazê-la, mas se você a considera correta matematicamente. Essa, é claro, é a falha mais comum dos jogadores de micro-stakes: ficar intimidado demais em fazer grandes value bets e calls corajosos simplesmente porque eles estão assustados pelo valor real em dólares da aposta, porque não podem evitar em colocar esse valor em dólar em situações reais do cotidiano.

De novo, essa “conexão” se aplica aos resultados. Depois que tive minha noite terrível, eu disse a mim mesmo “Eu nunca mais vou jogar, eu não posso deixar o poker ditar minha vida desse jeito” – mas esse pensamento é terrível. Eu sou um jogador vencedor da NL50, e eu curto jogar. O problema não é com o poker, o problema é COMIGO. O fato de eu ter deixado que eu ficasse tão chateado com minha perda, esse é um grande exemplo de estar “desconectado”. Eu deveria aprender a me sentir completamente imune a bad beats porque eu literalmente tenho uma performance brilhante. Como pode ser mentalmente correto fazer tudo direito e ainda assim se sentir péssimo? Loucura total.

Outros exemplos desse tipo de processo mental inútil são: concentração no bankroll ou dinheiro ganho e perdido, ficar chateado quando estiver numa bad run ou ter uma session muito longa, inabilidade em separar resultados de EV, constantemente reclamar na seção de reclamação sobre como você está indo mal, brigar com seus oponentes sobre como eles jogam mal, etc etc. É simplesmente uma questão de relevância e irrelevância. Todas essas coisas que citei são total e absolutamente irrelevantes para seu game, e eles precisam ser eliminados antes que você possa bater o nível onde você está jogando atualmente e se mover para um nível mais alto.

Então fiz a mim mesmo uma promessa de revisar completamente meu jogo mental, para tentar me tornar “conectado”. Esquecer do meu bankroll como sendo dinheiro, a esquecer um beat como “bad”, remover completamente a noção de “ganhar e perder” do meu game, e substituir por “+EV e -EV”. Nessa semana não vou jogar uma só mão de poker. Vou passar um tempo de qualidade com a minha namorada e satisfazer meu EU “desconectado” com felicidade e relaxamento. Então eu vou voltar e me treinar para jogar livre de tilt. Eu espero que isso seja difícil, mas eu também sei que é essencial, se eu quero estar melhor que um vencedor a 5ptbb/100 em 120k hands. Eu acho que eu vou é jogar um MONTE de SnGs, para me forçar a perder e aprender o que significa ter uma vantagem e não ver aquela vantagem se realizar.

Há duas esferas diferentes de ser quando se trata de poker. A lógica e a emocional. Eu acho que você tem de treinar a si mesmo, como estou fazendo, para emergir completamente em lógica quando se trata de poker, e deixar suas emoções pra trás.

Conecte-se.

Se você tiver dúvidas sobre os termos utilizados neste artigo, veja nosso dicionário de termos de poker.


Veja mais: