Coisas que Levei um Tempo para Aprender – Parte IV

Por: 07/10/2008

 

Parte 9 – Leitura de Mãos em Torneio

Continuando nossa comparação entre torneios e cash, jogadores de torneio têm um trabalho mais fácil quando se trata de leitura de mãos. Isto acontece porque os menores stacks nos torneios (exceto nos dois primeiros níveis) começam a restringir a quantidade de mãos que os jogadores podem jogar lucrativamente, e força uma importância enorme na posição.

No entanto, é uma aposta segura de que jogadores de cash vão ficar melhores em leitura de mãos muito mais rápido, simplesmente porque eles não têm tanto do trabalho feito para eles pela estrutura dos torneios. Se você quer uma resposta fácil de como ficar bom em leitura de mãos pós-flop, jogue várias mãos de cash 6 max em uma quantia razoável de mesas em que você possa parar e pensar na jogada. Salve isto, vou tentar resumir o que puder aqui nesse tipo de assunto complicado.

Toda vez que escuto a frase “Bem, eu o coloco em XX” eu quero socar o cara na garganta. Esta frase singular é a desculpa para mais jogadores ruins de poker que qualquer outra coisa no jogo. Tantos jogadores pros live (sim, eu sei, metade destes artigos parecem uma coleção de maneiras de como os profissionais pensam) parecem ter essa obsessão em apontar EXATAMENTE o que seus oponentes têm, então quando eles conseguem pegar o adversário com isso eles recostam-se em suas cadeiras, botam um sorriso convencido na cara e anunciam “HA! Foi ai que eu te botei!” Eu tenho certeza que Daniel Negreanu gasta meia hora por dia no espelho praticando isto com variações de expressões faciais para maximizar sua efetividade quando o momento de glória chega.

Aqui está a frase a ser lembrada: Você não coloca seu oponente em uma mão, você o coloca em um RANGE de mãos. Não faz sentido pôr um jogador em uma única mão. O processo pelo qual você faz leitura de mão começa com o range de mãos que seu oponente tem, então se elimina muito deste range conforme a mão progride e você tem mais e mais informações. Também é importante para este processo, é claro, ter uma idéia geral de como seu oponente joga. Se ele é novo em uma mesa online, a melhor chance que você tem é procurá-lo num OPR. Se ele é novo em uma mesa de torneio live, você precisa fazer algumas generalizações amplas sobre ele baseado em sua aparência.

Então como se dá o processo de eliminação de mãos do range de nosso oponente? Você
tem mais informação para você do que imagina. Vamos começar com um exemplo
extremamente óbvio:

50 FO em qualquer site. Blinds são 15/30 e todos ainda têm seus stacks iniciais de 3000. Os jogadores na mão parecem ser diretos e básicos.

Preflop: UTG aumenta para 90, UTG+1 dá reraise para 270.

Ok, se assumirmos que ambos jogadores são bem diretos, aqui está o que podemos deduzir.

UTG provavelmente tem um range como AJ+, ATs+, 77+ e KQs. Este range não é preciso, visto que ele pode ter pares menores, ou talvez não fosse aumentar ATs aqui, mas é bem próximo.

Quando o UTG+1 dá reraise, nós podemos eliminar várias mãos de seu range. Na maioria das vezes o range largo de um jogador direto aqui será algo como JJ+/AK, mas dá-lo um range de QQ+ é ruim em muitos casos.

Então, em apenas duas ações fomos capazes de isolar o range de um jogador para cerca de 3-5 mãos. Como coloquei anteriormente, este é um exemplo extremamente óbvio e simplista, mas demonstra como, como muito pouca ação, nós podemos conseguir uma leitura muito precisa.

A maior parte da leitura de mãos pré-flop em torneios vem quando se observa as tendências de aumentos das pessoas, e observando se entendem do tamanho do stack e de posição. Aqui está uma explicação destes fatores em:

Tamanho dos stacks: alguns jogadores sabem ou podem sentir que com 13-20 BB’s eles
não devem abrir em várias situações onde não agüentam um reraise. No entanto, jogadores que não entendem disso vão ter um range muito mais largo com esses stacks.

Também, alguns jogadores vão pagar os blinds com stacks de push/fold sem saber que está errado em fazê-lo. Você também precisa identificar quais jogadores dão flat call com mãos even quando seus stacks estão muito pequenos, e quais jogadores só dão flat call com monstros nesta situação.

Uma coisa mais para se observar sobre o entendimento do tamanho dos stacks é o resteal, muitos jogadores vão tentar o resteal com um stack que é muito inapropriado de se fazer, e ocasionalmente você terá que dar um shove light de volta. Uma vez tive um oponente que estava constantemente dando 3-bet em mim, apesar de nossos stacks efetivos de 25-30 BB’s, e como resultado eu shovei 4-bet QJo com 28 BB’s, depois de ele ter colocado 8,5 BB’s e ele foldou. Situações como essa surgem onde observar o entendimento de um jogador sobre um conceito leva uma jogada de incrivelmente ruim
(como 4-bet all in QJo com 28 BB’s é em 99% do tempo) para algo que pode ser lucrativo.

Posição: a maior situação pré-flop que alarga o range das pessoas devido à posição é o jogo no blind. Muitos jogadores dão call de forma muito mais loose no blind do que deviam (especialmente o BB, é claro) devido ao desconto. Alguns fatores aqui irão forçá-los jogar OOP pelo resto da mão, e colocá-los em grande desvantagem. Eu já escrevi sobre qual deve ser o range de um jogador normal fora dos blinds, preste atenção em caras que dão call com range muito largo, assim como em caras que jogam muito tight nos blinds. Outra coisa a se observar são caras que dão call em reraises OOP
muito mais loose que o normal. Para muitos bons jogadores, do meio às fases finais de um torneio, eles basicamente nunca dão call em seu reraise OOP sem um monstro a menos que os stacks estejam bem grandes.

Ok, vamos ver mais alguns exemplos de leitura de mãos e entrar no processo de pensamento. Primeiro eu quero começar com um exemplo de o que acontece quando você realmente conhece o jogo de uma pessoa. Eu gasto 4-8 horas por dia no Skype com Luckychewy discutindo torneios e mãos. A esta altura eu posso seguir a lógica por trás de suas jogadas com enorme precisão. Por exemplo, eu estava assistindo-o deep no stars $300 hoje à noite e testemunhei a seguinte mão:

Poker Stars
No Limit Holdem Tournament
Blinds: t2000/t4000
(Ante: t200)
7 jogadores
Tamanho dos stacks:
UTG: t57888
UTG+1: t60291
MP1: t148859
Herói: t140802
Button: t218154
SB: t65545
BB: t66932

Pre-flop: (7 jogadores) Herói é o CO com Q Q
3 foldam, Herói aumenta para t10000, 2 foldam, BB call t6000 (pot era t17400).
Flop: 8 A 4 (t23400, 2 jogadores)
BB check, Herói check.
Turn: K (t23400, 2 jogadores)
BB check, Herói check.
River: 7 (t23400, 2 jogadores)
BB aposta t8000, Herói fold.

Depois de testemunhar esta mão eu imediatamente entrei no messenger e perguntei ao Chewy “QQ?”, “Sim” ele respondeu. “QQ”. Agora, por que isto pareceu tão claro para mim? Porque eu entendo o processo de pensamento do Chewy. Vamos street por street.

Preflop: Obviamente eu sei que o Chewy pode ter um range bem grande aqui, entretanto, dados os stacks no SB e no BB, eu sinto que ele deve ter um range bem menor que o normal, já que ele espera receber o shove com uma freqüência maior.

Flop: Eu espero que o Chewy aposte uma grande c-bet em um bordo como este com 100% de seu range que não tem value no showdown. Não é totalmente irracional de se pensar. Chewy daria check com um A aqui, visto que o bordo é rainbow sem nenhum straight draws reais e o jogador vai frequentemente dar-lhe crédito por um A. Eu também espero que ele dê check em mãos como KK/QQ/ e algumas vezes JJ, mas eu sei que ele irá apostar com TT mais frequentemente, já que muitos turns irão piorar sua mão e é muito mais fácil jogar com uma aposta aí.

Turn: Quando bate o K, significa que KK é muito mais improvável. Quando o jogador dá check novamente, eu espero que o Chewy sempre aposte com um A. Visto que ele precisa começar a conseguir value e o K vai frequentemente bater para o BB, significando que ele provavelmente dá call em pelo menos um street por value. Também põe um out para flush draw, ainda mais motivo para apostar. Quando o Chewy dá check behind novamente, está naquele ponto em que sei de certeza que deve ter uma mão como QQ, já que apostar ali seria basicamente um blefe e sua mão ainda tem uma
quantidade considerável de SD value. Eu também sei que ele sabe que com essa linha ele provavelmente não conseguirá um fold de um K apenas apostando em um street, já que o vilão espera que o Chewy tenha apostado com um A no flop.

River: Quando o cara aposta 8000, Chewy pensou e deu fold. Ele percebe que existem muito poucas cartas no range do vilão que ele ganha e que se o vilão vai blefar a aposta vai normalmente vir no turn. Ele também percebe que apostar 1/3 do pot é quase sempre uma blocking bet por value.

Isso tudo é legal e fácil quando você sabe que alguém joga bem assim. E quando você não sabe? Novamente, você tem que recorrer a generalizações e tentar adivinhar qual o nível de pensamento do seu oponente. Prestando atenção em quem é quem no poker online termina tendo certa importância conforme você sobe nos stakes. E é ai onde usar o Pokertracker com PAHUD entra na jogada, assim como procurar pelos resultados de um jogador em algo como OPR. Qualquer informação que conseguir tem value.

Agora vamos ver uma mão mais complicada. Aqui está um post recente do Psyduck sobre uma mão que ele jogou no ME de 10k no Foxwoods:

Background: o vilão está mais para um TAG direto tendendo para o lado tight. Ele é um dos melhores jogadores na mesa e parece ser capaz de ler mãos. Ele abre muito tight, mas também dá c-bets com boa freqüência, quase sempre heads-up, mas ele desistiu de alguns pots 3-way quando foi o preflop raiser. Ele também não aposta leve por value, optando pelo showdown em posição com mãos como middle pair-TK, e algumas mãos top pair fracas também. Ele também não parece fazer muito double-barrel, mas sua freqüência de c-bet no flop em pots HU é bastante alta. Ele provavelmente tem alguns
truques na manga, mas parece ser 95% direto.

Eu tenho uma imagem de perdedor. Eu caí de 30k para 20k principalmente por causa de duas mãos grandes, uma em que dei double-barrel em um bordo J T Q e dei fold no river (perdi T5500 aqui), e outra em que dei 3-bet pré-flop com AA, e dei bet/fold em um bordo K 8 5 rainbow para um insta-check-raise-shove massivo (perdi T4000 aqui e o vilão viu meu fold com AA). Eu estou ganhando todos meus pots pequenos e perdendo todos os grandes. Eu já fiz donkbet no preflop raiser duas vezes no flop e, ou ganho ali mesmo, ou dou shutdown, e o vilão está prestando muita atenção nisso.

Stacks efetivos 20k, blinds 100/200. Vilão abre para T600 em MP num jogo 9 handed,
folda até mim eu dou call no BB com 7 5. Muitas razões pelas quais dei call, mas vamos
focar no pós-flop.

Flop Q 7 6 rainbow (pot 1300). Check, ele dá insta-bet 600, dou call rapidamente.

Turn 7 offsuit (pot 2500). Eu aposto 1200, ele aumenta para 2800 rapidamente, dou call.

River 9 (pot 8100). Eu conto meu stack e vejo que tenho 15500 sobrando.

Eu aposto 5200. Ele pede para que eu tire minhas mãos da frente do stack, para poder vê-lo, eu o
faço e ele vê que tenho cerca de 10k sobrando, ele dá shove com todas suas fichas de 5k e 1k, me colocando all-in depois de 1 minuto.

Vamos falar sobre a leitura de mão desta mão. Informação importante para se começar é que o vilão frequentemente dá c-bet, e que não dá value bet bem. Isto significa que ele tem tendências passivas e prefere ir para o showdown, o que significa que ele é menos provável de dar grandes blefes. Psyduck teve suas razões para dar call pré-flop, o que não é comum de forma alguma, mas é irrelevante aqui.

Flop: no flop, Psyduck sabe que já que o vilão vai apostar próximo a 100% de seu range de raise, seu par é geralmente bom e um call é apropriado. Esta parte parece ser normal quando sabemos que muito obviamente existem muitas mãos unpaired no range do vilão.

Turn: agora é onde conhecer seu jogador, suas tendências e leitura de mão começa realmente a ser importante. Vamos começar a quebrar o range do vilão e ver como ele reage:

AK/AJ/AT outras combinações de overcards/air que não bateram: vai dar check de volta e apenas pôr mais fichas no pot se acertarem o river. Se eles o acertam será frequentemente para apenas uma aposta, já que poucas dessas mãos farão algo forte o suficiente para dar raise no Psyduck esperando ser pago por mãos piores se ele dá check no turn e abre o river.

Pares 22-55, 88-JJ: estes pares vão quase sempre dar check back e tentar ir pro showdown mais barato possível. Devido à imagem agressiva do Psyduck, eles vão certamente pagar um street dele, ou talvez apenas dois. Q’s de força média: a partir da descrição deste jogador, ele pode dar check back com seus Q’s médios como QT/QJ e se o Psyduck der check no river, mandar uma aposta.

Se o Psyduck não abre, é possível que ele só consiga um street de value destas mãos. Q’s fortes e over pairs: estas mãos vão quase sempre apostar no turn, e frequentemente o river se for uma carta segura, mas não suportam um check raise. Existe uma pequena possibilidade de eles darem check back para controle do pot quando o bordo faz par, mas na maior parte do tempo podemos esperar que apostem, mas não paguem um check raise.

Monstros como 66/QQ/A7: com mãos como estas, se o Psyduck dá check raise no turn ele se comprometeu com o pot e eles obviamente nunca vão dar fold. Psyduck sabe que se ele dá check raise no turn, é muito provável que apenas estas mãos (exceto talvez AA/KK e taaalveez AQ) o paguem.

Como um resultado do entendimento do que acontece contra as várias mãos no range do vilão, Psyduck escolheu abrir. Apesar do propósito principal do lead ser por value (já que pega mais dinheiro do range do vilão que um check), quando o vilão te dá um raise, Psyduck também ganha informação. Ele pode agora eliminar todos os pares 22-55/88- JJ, Q’s de força média e overcards/air (a não ser que o vilão esteja sendo SUPER criativo com ele).

River: quando bate o 9 no river, não muda absolutamente nada. 99 já não está no range do vilão. Psyduck sabe que o topo do range do vilão (os monstros) vai sempre apostar por value, e a parte mais baixa do range (que a essa altura são os Q’s fortes e over pairs) vai algumas vezes apostar por valor e outras dar check behind, já que o Psyduck deu call no raise do turn depois de ter aberto em um 7. Psyduck decide que ganha a mesma quantidade de value da parte mais baixa do range do vilão ai abrir, sem ser posto em uma decisão por parte consideravelmente maior de seu stack, com o benefício adicional e que se o vilão dá shove ele sabe que está sempre perdendo e pode seguramente dar fold.

Ele abre um pouco mais que metade do pot, o que é 1/3 de seu stack, 5200, e folda para o shove do vilão no river. Boa mão em minha opinião, e um bom exemplo de como um jogador pensante usou seu entendimento de ranges para sua vantagem no pós-flop para maximizar tanto o value como a informação.

Para meu último exemplo eu gostaria de citar o blog do Nath (www.tworags.com/blog/nath). Lá tem um artigo que é um excelente exemplo de como usar a leitura de mãos para tomar decisões que em circunstâncias normais seriam ridículas: do Sunday Million do PokerStars de ontem. Vilão desconhecido.

PokerStars Torneio Hold’em No-Limit, Big Blind é t600 (9 handed)
SB (t31052)
BB (t35813)
UTG (t29700)
UTG+1 (t19400)
MP1 (t28360)
Herói (t27246)
MP3 (t12775)
CO (t7727)
Button (t11100)
Preflop: Herói é MP2 com 9 , 9 .
UTG aumenta para t1200, 2 foldam, Herói call t1200, 4 foldam, BB call t600.
Flop: (t3900) 5 , 4 , 2 (3 jogadores)
BB check, UTG aposta t3600, Herói call t3600, BB fold.
Turn: (t11100) 2 (2 jogadores)
UTG aposta t4800, Herói call t4800.
River: (t20700) A (2 jogadores)
UTG check, Herói aposta t17646 (All-In), UTG fold.
Pot Final: t20700

OK… agora você está provavelmente imaginando por que segui uma linha que parece muito estranha e determinada a pegar tanto do meu dinheiro no pot quando possível enquanto atrás. E eu vou mostrar por que isso funciona aqui. Vamos olhar street por street.

Preflop: Herói é MP2 com 9 , 9 .

UTG aumenta para t1200, 2 foldam, Herói call t1200, 4 foldam, BB call t600.

Então este é o street mais direto de toda a mão. Um mini-raise é indicativo de tudo e nada; na maioria das vezes me diz que meu adversário é, provavelmente, um palhaço. Não ajuda muito a definir sua mão, entretanto. Alguns jogadores adoram da mini-raise suas mãos grandes para tentar induzir ação nelas. Alguns gostam de dar mini-raise em mãos com as quais querem ver flops baratos, na esperança de que o mini-raise desencoraje um reraise.

Pelo que ele vale, acho que ambos são terríveis, e se você conscientemente faz um ou outro, você tem um buraco enorme em seu jogo. Eu tento misturar os tamanhos dos meus raises para tornar minha mão difícil de ser lida. De qualquer forma, tendo dito tudo isto, eu escolhi apenas dar call com 99 porque eu não tenho idéia do que meu oponente tem; se eu dou reraise e ele folda, eu ganho um
pot relativamente pequeno, mas se ele dá 4-bet em mim eu tenho que dar fold, e desperdicei uma chance de ganhar um grande pot. Então decido dar call e continuar no pós-flop. O BB vem junto por que ele tem 5,5:1 e está fechando a ação, não necessariamente porque ele tem muito.

Flop: (t3900) 5 , 4 , 2 (3 jogadores)

BB check, UTG aposta t3600, Herói call t3600, BB fold.

Aqui está onde começa a ficar interessante. Fazer uma aposta do tamanho do pot aqui é frequentemente um indicativo de um overpair. Aqui está a armadilha: eu ainda ganho de alguns dos overpairs. Somado a isso, algumas pessoas entram em pânico com seus AK/AQ quando não batem aqui e começam a apostar alto na esperança de assustar o oponente. Neste bordo, AK/AQ têm um adicional de 4 outs contra pares baixos. Esta equidade aumentada faz com que a aposta com AK aqui não seja uma jogada tão ruim.

É também a grande razão pela qual não faço um move no pot agora. Algumas pessoas vêem “overpair” e pensam “tenho que proteger minha mão”. Tendo visto ele fazendo uma grande aposta no pot agora, eu sei que meu oponente gosta de sua mão, mas não sei exatamente o que ele tem. É muito provável que minha mão seja boa para se foldar aqui, mas ele também tem um overpair aqui com muita freqüência para fazer um raise e pegar o dinheiro de forma lucrativa. Eu sinto que, se eu shovar, será uma situação de 60-40 ou 90-10 dog.

Eu não ligo em entrar como um favorite 60-40, especialmente em um torneio como o Million, cujo tamanho do field dita um estilo mais rápido de jogo, uma aproximação mais do tipo “correr para a linha de chegada” – mas geralmente eu estarei drawing por dois noves para querer dar push agora. Então dou call e decido reavaliar baseado no turn. O BB folda, e eu nunca o considerei muito um fator, de qualquer forma.

Turn: (t11100) 2 (2 jogadores)

UTG aposta t4800, Herói call t4800.

O 2 não muda nada. Nenhum de nós tem um 2 e ambos sabemos disso. Agora sua aposta no turn é interessante – ele aposta apenas pouco menos de 1/2 pot, o que parece fraco, mas também o prepara para um shove do tamanho do pot no river se eu dou call. (A propósito, se você não está pensando em manipular o pot e o tamanho dos stacks dessa forma quando escolhe o tamanho de suas apostas, você está cometendo um erro).

De minha parte, o preço está muito bom para se foldar um overpair – mas ainda minha mão não é boa o suficiente para o raise. Eu suspeito algum tempo que ele tem um overpair maior que o meu, algum tempo que ele ainda tem AK/AQ (o tamanho da aposta é na verdade um tamanho efetivo para bloquear um draw e ver se ele bate), e raramente ele tem um overpair pior que o meu. Então considerando que a maior parte de seu range é TT-KK e a outra maior parte dele é AK/AQ*, dou call novamente.

* – Eu não incluo AA aqui, não porque é impossível, mas porque é um caso especial. Ele tem o melhor de ambos os mundos, e eu estou ferrado; o river é basicamente irrelevante porque ele vai dar shove em qualquer um deles. Eu também considerei 66-88 improvável, embora não impossível.

River: (t20700) A (2 jogadores)

UTG check, Herói aposta t17646 (All-In), UTG fold.

Uau. Esta é uma carta muito interessante. Todas suas mãos com A bateram aqui, e todas suas mãos overpair viraram lixo. Esta é a beleza da posição – Eu posso usar sua ação para julgar o que ele tem. Já que ele tem uma aposta do tamanho do pot sobrando, ele tem que dar shove por value se acertou o A (ou seu 33, ou se ele já tinha um full, ou qualquer coisa).

Ele dá check.

Agora, a reação imediata de muitos e muitos jogadores seria dar check, pensando que “Oh, ou ele já está ganho, ou acertou o A. E ele não vai dar call com uma mão pior, e nós temos um par, então vamos dar check e esperar que ganhemos no showdown.”

Estão errados.

Quando ele dá check, está completamente vulnerável. Cada um de nós temos menos que o tamanho do pot sobrando (ele tem um pouco mais), e se temos qualquer coisa razoável, estamos comprometidos com o pot. A única razão para não colocarmos o resto do dinheiro aqui é se pensarmos, por alguma razão específica, que uma scare card ajudou tanto o range de nosso oponente que devemos desistir.

Armar uma armadilha seria absurdo a esta altura para o vilão, dado que eu devo dar call em seu push com qualquer coisa razoável, tendo chegado tão longe. Então quando ele dá check, não é uma armadilha, é porque o A o assustou e ele vai dar fold para um shove.

E – isso é importante – devemos saber que isto tira Ax e 33/44/55 do range dele, e torna seu range, quase que restritamente, overpairs. Então seu range consiste primariamente de mãos que vão ganhar da nossa no showdown, mas não pode pagar um all-in.

Sabendo disto, devemos jogar como um blefe. O fato de que ele ainda não teve ação nos dá toda a razão no mundo para tal. Ele anunciou para nós que está assustado com o ás, e ele está esperando que deixemos ele ir pro showdown com sua mão. Então temos que desapontá-lo.

Em uma anotação secundária, os tamanhos dos stacks são realmente excelentes para essa jogada. Cada um de nós tem pouco menos que um pot sobrando (eu tenho 17,5k e ele tem 20k em um pot de 20k). O que significa que uma aposta all-in pode ser interpretada como com um tamanho “normal” (dar um all-in aqui, digamos, com 4 vezes o tamanho do pot seria “anormal”). Por causa disso, faz com que nosso oponente suspeite menos que estamos blefando; nós poderíamos simplesmente estar tentando
pegar cada dólar possível de nossa mão. Isso o coloca em uma situação bem terrível, já que de sua perspectiva poderíamos ter, facilmente, AK/AQ/33. Nós certamente não daríamos check behind no river com estas mãos. Então é muito improvável que o vilão esteja bom uma vez em três, e ele folda.

Agora, na mesa, este processo é muito mais rápido, e é ocasionalmente guiado pela intuição – você nem sempre tem o tempo para pensar, em palavras, por que uma jogada funcionará; você “sabe” disso. É bom estar seguro, ter razões lógicas para suas jogadas, mas é mais importante confiar em sua intuição – que é uma parte de você, e funciona no que você aprendeu também. No calor do momento, está pegando toda sua experiência, habilidade e treino, e levando você para a decisão correta. Se você tiver preparado-a para os momentos que você precisa, ela não vai te desapontar. Trabalhe sua lógica longe das mesas, estude, revise e prepare suas teorias, dessa forma seus instintos têm o
background que precisam para tomar a decisão correta. Confie em você mesmo para aprender o jogo.

Eu direi que o blefe-shove no river não havia entrado no meu processo de pensamento até que o river bateu, e o vilão pensou por um momento e deu check. Então ocorreu em mim que ele não poderia pagar um push, então dei push – não teria importado, realmente, o que eu tinha, mas eu estava definitivamente influenciado pela fraqueza relativa de minha mão (se eu tivesse, digamos, KK, teria dado check behind – ou push por value).

Mas este é outro ponto desta mão – você tem que ser capaz de adaptar sua decisão – processando cada vez que surge nova informação. Mesmo que você tenha um plano para uma mão, alguma coisa pode mudar que vai levá-lo a abandoná-la, porque você percebe que uma linha alternativa é mais lucrativa. Online, o passo é acelerado, então você deve ser mentalmente rápido. Live, você sempre tem uma oportunidade de pensar uma mão. Online, você tem limites de tempo muito mais curtos e deve estar fazendo multi-table também, então ser rápido é tão importante quanto estar seguro.

Então para recapitular a lição de hoje:

a) Esteja alerta para a força de sua mão comparada ao range de seu oponente, não só com o bordo, ou no senso absoluto.

b) Não tenha medo de tornar uma mão feita em um blefe.

c) Não tenha medo de mudar de planos no meio de uma mão, conforme retém informações.

d) Pense rápido.

e) Confie em você mesmo.

Este foi mais um trecho do artigo “Coisas que Levei um Tempo para Aprender” de Bond18 traduzido por “Robinho” com a colaboração de Pedro Ynoue. Mais uma vez agradecemos aos dois pela colaboração. Faça o download do artigo completo em pdf para continuar a leitura. Clique aqui para comentar este artigo no fórum.

Se você tiver dúvidas sobre os termos utilizados neste artigo, veja nosso dicionário de termos de poker.


Veja mais: